Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 24 de agosto de 2017. Atualizado às 08h12.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Moradia

24/08/2017 - 07h47min. Alterada em 24/08 às 08h15min

BM bloqueia rua e prepara despejo de ocupantes de Hotel Açores

Batalhão de Choque da Brigada Militar bloqueou desde a madrugada desta quinta-feira

Batalhão de Choque da Brigada Militar bloqueou desde a madrugada desta quinta-feira


Getúlio Vargas/Uampa/Divulgação/JC
O Batalhão de Choque da Brigada Militar bloqueou desde a madrugada desta quinta-feira (24) a Rua dos Andradas, entre as ruas João Manoel e Caldas Júnior, para cumprir a ordem de despejo do antigo Hotel Açores. O fluxo de carros e pessoas foi interrompido. O prédio é ocupado por integrantes da Ocupação Lanceiros Negros e movimentos de moradia. São cerca de 150 pessoas no local.
Manifestantes do Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas (MLB) estão no local em apoio aos ocupantes e ainda tentam evitar a execução da ordem de reintegração de posse, autorizada em 17 de julho pela 1ª Vara Cível do Foro Central da Capital.
O governo estadual chegou a publicar nota em seu site informando que colocou um abrigo temporário para as famílias, que fica no Vida Centro Humanístico, no bairro Rubem Berta. "O Centro é um ambiente seguro, com banheiro, cozinha e refeitório. Poderão ser levados para lá também os pertences das famílias", diz a nota. 
Os deputados estaduais Manuela D'Ávila (PC do B), Jeferson Fernandes (PT) e Pedro Ruas (PSOL), ligados à Comissão de Direitos Humanos, também estão na área onde a BM mostra que irá cumprir a ordem judicial. Eles tentam impedir a retirada, além de buscar assegurar um local para as famílias. 
A justiça estadual decidiu em 5 de julho pela desocupação do prédio. Famílias e membros de movimentos de moradia ingressaram no local em 4 de julho. Além de integrantes do grupo Lanceiros Negros, há famílias que residem em áreas de risco na Capital, como regiões afetadas pelo tráfico de drogas ou que foram atingidas por enchentes.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia