Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 04 de agosto de 2017. Atualizado às 10h25.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

investigação

04/08/2017 - 09h32min. Alterada em 04/08 às 10h28min

Operação da Polícia Federal combate crime ambiental no Litoral Norte gaúcho

Investigações iniciaram após informações de flagrantes de extração mineral ilegal

Investigações iniciaram após informações de flagrantes de extração mineral ilegal


POLÍCIA FEDERAL/DIVULGAÇÃO/JC
Crimes ambientais praticados no Litoral Norte do Rio Grande do Sul foram alvos de operação deflagrada nesta sexta-feira (4) pela Polícia Federal. A ação, batizada de Operação Curvas, cumpre quatro mandados de busca e apreensão em Mampituba. Um ex-prefeito do município teria sido preso.
De acordo com a investigação, dois servidores da administração do município da gestão 2012-2016 construíram uma empresa em nome de terceiros para comercializar fragmentos de rocha conhecidos como "seixo" e utilizados para paisagismo. As pedras eram extraídas a partir do desassoreamento do Rio Mampituba, realizado pela prefeitura e comercializados pelas empresas.
De acordo com a PF, a licença expedida pelo Ibama para a realização do desassoreamento veda expressamente a comercialização do mineral oriundo da extração. Além disso, há obrigatoriedade de licença do Departamento Nacional de Produção Mineral, que a prefeitura não possuía.
A Operação Curvas teve início pela Polícia Federal em 2016, a partir de informações de flagrantes de extração mineral ilegal, realizados pela Patrulha Ambiental da Brigada Militar.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia