Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 13 de agosto de 2017. Atualizado às 18h27.

Jornal do Comércio

Esportes

COMENTAR | CORRIGIR

campeonato brasileiro

13/08/2017 - 18h31min. Alterada em 13/08 às 18h32min

Vasco e Palmeiras fazem partida fraca e empatam por 1 a 1 pelo Brasileirão

A intenção do Palmeiras de se recuperar após dar adeus à Copa Libertadores ficou frustrada por uma atuação fraca e um gol sofrido no fim. Em Volta Redonda (RJ), no estádio Raulino de Oliveira, pela 20.ª rodada do Campeonato Brasileiro, o time fez um jogo fraco tecnicamente contra o Vasco, empatou em 1 a 1 neste domingo e esfriou a arrancada desejada para reagir e confirmar vaga na competição continental do próximo ano.
A partida de muitos erros dos times marcou o encontro de um Palmeiras desfalcado e abalado pela queda na Copa Libertadores contra um Vasco que passou os três últimos jogos sem marcar gols O pouco de emoção e intensidade ficou somente para o fim, após as equipes terem superado as próprias limitações e marcado gols
O primeiro jogo do Palmeiras depois da eliminação na Libertadores, na última quarta-feira, trouxe a equipe com cinco mudanças, a maioria forçada por lesões. Isso, no entanto, não significou corrigir falhas e ter um time mais efetivo e organizado, defeitos evidentes em jogos anteriores.
A partida em Volta Redonda testou a paciência da torcida. Vasco e Palmeiras erraram passes, não criaram e deram motivos de sobra para quem viu o jogo buscar outra distração mais interessante em vez de olhar para o campo e presenciar o futebol ruim. Fora um gol anulado do Vasco e uma chance clara de Róger Guedes defendida pelo goleiro uruguaio Martín Silva, não houve nada atrativo.
O intervalo foi a hora de o técnico Cuca desfazer a mudança tática feita para o jogo. O esquema 4-4-2 do início deu lugar, com a entrada de Keno, para o 4-3-3 habitual. A expectativa de ter mais movimentação e chegar ao ataque não deu certo. Quando se a inspiração está em falta e o abatimento ainda existe, pouco se pode fazer para salvar a atuação.
O Palmeiras em campo continuou desorganizado e com pouca aproximação com o ataque. O velocista Keno ficou quase sempre sozinho, o Vasco pouco ameaçava e a partida rumava para um empate sem gols praticamente certo. Era preciso, portanto, alguma jogada inusitada para alterar o panorama. Pois então o pequenino Guerra, de 1,72 metro, entrou como centroavante na área para concluir de peixinho cruzamento de Jean, aos 31 minutos.
Como a partida era fraca e os time pouco criavam, o gol parecia ser o definitivo do placar. Engano do Palmeiras. O time falhou na marcação de um escanteio e Manga Escobar completou de carrinho, aos 42 minutos, para igualar e dar ao jogo um pouco mais de imprevisibilidade. Mas já era tarde. Se o resultado não agradou, o empate ficou à altura do nível técnico baixo da partida.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia