Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 21 de agosto de 2017. Atualizado às 23h01.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Conjuntura

Notícia da edição impressa de 22/08/2017. Alterada em 21/08 às 20h46min

Construção interfere no PIB do segundo trimestre

Saque das contas inativas do FGTS injetou recursos na economia e impulsionou o consumo das famílias

Saque das contas inativas do FGTS injetou recursos na economia e impulsionou o consumo das famílias


JONATHAN HECKLER/JONATHAN HECKLER/JC
A liberação do saque de contas inativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) tirou do vermelho o consumo das famílias no segundo trimestre do ano. A recuperação da atividade econômica, porém, foi prejudicada pelo mau desempenho da construção, que atrapalhou tanto os resultados da indústria quanto dos investimentos, segundo Claudio Considera, coordenador do Monitor do Produto Interno Bruto (PIB), divulgado ontem pela Fundação Getulio Vargas (FGV).
O PIB brasileiro recuou 0,24% no segundo trimestre ante o primeiro trimestre do ano. O indicador da FGV antecipa a tendência do principal índice da economia a partir das mesmas fontes de dados e metodologia empregadas pelo IBGE, responsável pelo cálculo oficial das contas nacionais.
"Eu diria que é um falso negativo. Tivemos um primeiro trimestre muito bom, excepcional (alta de 0,99%), sabíamos que o resultado não se repetiria. Mas ainda está melhor do que no último trimestre de 2016, quando recuou 0,51% em relação ao trimestre anterior", lembrou Considera.
Em relação ao segundo trimestre do ano passado, o PIB do segundo trimestre deste ano teve retração de 0,3%. A indústria teve uma queda de 1,8%, influenciada, principalmente, pelo tombo de 7,4% da atividade de construção.
Sob a ótica da demanda, a Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF, medida dos investimentos no PIB) recuou 5,1%. O desempenho do componente de máquinas e equipamentos continua positivo (0,4%), mas a construção teve forte redução (-9%), um impacto de -4,6 pontos percentuais para a taxa trimestral da FBCF. "As grandes empreiteiras estão paradas. Tem que dar um jeito de elas voltarem a operar, mas não tem, do outro lado, quem queira contratar. Os governos não estão com dinheiro para construir. A saída é investir nas concessões e privatizações. Não tem como fugir", avaliou.
O destaque positivo foi o consumo das famílias, que cresceu 0,6% no segundo trimestre, na comparação com o mesmo trimestre de 2016. O avanço interrompe nove trimestres negativos consecutivos. O consumo de serviços manteve-se negativo (-1,0%), enquanto cresceu o de bens não duráveis (0,5%), semiduráveis (7,3%) e bens duráveis (3,8%), impulsionado pelos saques no FGTS.
"As famílias pagaram as dívidas e puderam abrir um novo crediário", calculou o coordenador do Monitor do PIB. "Mas eu não acho que o consumo das famílias vá fazer a economia deslanchar. Daí é que vem o nosso problema, que é o investimento", completou.
As exportações cresceram 3,2% no segundo trimestre em comparação ao mesmo período de 2016, enquanto as importações caíram 1,8%. O PIB acumulado no primeiro semestre de 2017 alcançou cerca de R$ 3,21 trilhões em valores correntes.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia