Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 20 de agosto de 2017. Atualizado às 18h14.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Energia

Alterada em 20/08 às 18h16min

Distribuidoras melhoram desempenho no segundo trimestre de 2017

Grande parte das distribuidoras de energia conseguiu melhorar seu desempenho operacional no segundo trimestre com a redução das perdas e melhora dos indicadores de inadimplência, ainda que a retomada do crescimento do consumo não tenha acontecido. E o cenário apontado por executivos é de otimismo para os próximos trimestres, com expectativa de melhoria no consumo.
O presidente da EDP Energias do Brasil, Miguel Setas, indicou que a companhia - que tem duas distribuidoras, em São Paulo e no Espírito Santo -, trabalha com a perspectiva de consumo de energia estável até o fim do ano, depois de ter registrado, no segundo trimestre, queda de 0,9% no volume de energia distribuída.
Entre abril e junho, o consumo de energia no País caiu 0,95% ante igual período do ano passado, para 114,9 mil gigawatts-hora (GWh), segundo dados da Empresa de Pesquisa Energética (EPE). As distribuidoras tiveram números piores, pressionados pela migração de clientes para o mercado livre, em que o consumidor compra a energia diretamente do fornecedor. O mercado cativo, formado por consumidores atendidos pelas distribuidoras, caiu 10,8%, para 79,2 mil Gwh.
Dados prévios de consumo no segundo semestre ainda não mostram com clareza a retomada de consumo, mas dão alguma indicação de melhora do mercado. Números da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) indicam que na primeira quinzena de agosto o consumo caiu 1%, mas, excluindo o impacto da migração para o mercado livre, o consumo no ambiente de contratação regulada teria aumento de 0,3%. Resta saber se esse desempenho foi influenciado por alguma externalidade e se haverá fôlego para mantê-lo.
Os analistas do Goldman Sachs Bruno Pascon Victor Hugo Menezes e Gabriel Francisco esperam que a queda nos volumes comercializados seja "gradualmente revertida" no segundo trimestre, tendo em vista a expectativa de desaceleração da migração de consumidores para o mercado livre e a maior probabilidade de uma recuperação consistente da produção industrial.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia