Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 19 de agosto de 2017. Atualizado às 10h19.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

O Futuro da Terra

Notícia da edição impressa de 18/08/2017. Alterada em 19/08 às 10h20min

Indicação geográfica valoriza vinho gaúcho

Jorge Tonietto desenvolve pesquisas na Embrapa Uva e Vinho

Jorge Tonietto desenvolve pesquisas na Embrapa Uva e Vinho


VIVIANE ZANELLA/VIVIANE ZANELLA/EMBRAPA UVA E VINHO/DIVULGAÇÃO/JC
Atualmente, há no Rio Grande do Sul oito regiões com o selo de indicação geográfica e boa parte delas tem a participação de um agrônomo da Embrapa Uva e Vinho, de Bento Gonçalves, em sua formulação.
Formado pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs), o caxiense Jorge Tonietto começou a trabalhar na instituição de pesquisa em 1980, época em que nem se falava nesse tipo de indicação a produtos por aqui. Por anos, o desafio colocado foi o de avaliar o potencial e estimular a produção de vinhos em regiões promissoras, como Sudeste e Campanha.
"Ficou evidente que as novas regiões eram interessantes, tinham potencial, mas que os vinhos tinham qualidades diferenciadas", conta ele. Os estudos comprovaram que era por conta do chamado "efeito terroir", conjunto de características de solo e clima, entre outros aspectos de determinada região, que se expressa no sabor e aroma de produtos agrícolas como o vinho.
A Europa, por outro lado, já tinha experiência de décadas no trabalho de valorização das regiões produtivas e cultura local diante do consumidor por meio dos registros, o que acabou fascinando Tonietto quando ele desembarcou em Montpellier, na França, para iniciar doutorado na Escola Nacional Superior de Agronomia (Ensa), hoje SupAgro, em 1995.
De volta ao Brasil, animou-se com o interesse da recém-criada Associação dos Produtores de Vinhos Finos do Vale dos Vinhedos (Aprovale), que seria a primeira entidade a encaminhar o pedido de certificação ao Inpi, em 2000.
Depois da experiência pioneira outras surgiram, igualmente apoiadas no trabalho do pesquisador e da equipe da Embrapa Uva e Vinho. Foi o caso dos pedidos das associações de produtores de Pinto Bandeira (Asprovinho), em 2008; dos Altos Montes (Apromontes), em 2012; de Monte Belo do Sul (Aprobelo), em 2012; de Farroupilha (Afavin), em 2014; além dos Vales de Uva Goethe (Progoethe), de Santa Catarina, em 2010.
Tonietto conta que a entidade, em parceria com os produtores e outras instituições de fomento, fazia o diagnóstico da região, formulava o projeto e orientava inclusive a busca de financiamento ao projeto. "O vinho foi pioneiro e serviu de exemplo para outros produtos", diz ele.
O agrônomo conta que o movimento foi fortemente influenciado pela abertura do mercado brasileiro ao produto estrangeiro, notadamente a partir da década de 1990, quando houve redução das alíquotas de importação para vinho.
Homenageados em 2017
PRÊMIO ESPECIAL
Luiz Carlos Federizzi - Ufrgs
CADEIAS DE PRODUÇÃO E ALTERNATIVAS AGROPECUÁRIAS
Aproccima
Geovano Parcianello - Irga
Jorge Tonietto - Embrapa
INOVAÇÃO, TECNOLOGIA RURAL E EMPREENDEDORISMO
Julio Otavio Jardim Barcellos - Ufrgs
SIA - Serviço de Inteligência em Agronegócio
Homero Bergamaschi - Ufrgs
Maria do Carmo Bassols Raseira - Embrapa
Antonio Folgiarini de Rosso - Irga
PRESERVAÇÃO AMBIENTAL
Cimélio Bayer - Ufrgs
Alianza del Pastizal - BirdLife International
Flávia Fontana Fernandes - UFPel
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia