Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 17 de agosto de 2017. Atualizado às 14h08.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Aviação

17/08/2017 - 14h10min. Alterada em 17/08 às 14h11min

Agropecuária puxa vendas de aeronaves executivas

A atual melhora do nível de vendas do setor de aviação executiva tem sido puxada por segmentos econômicos que estão sofrendo menos com a crise, como o de serviços e, principalmente, o de agronegócios. De acordo com a Associação Brasileira de Aviação Geral (Abag), companhias de agricultura e pecuária registraram alta de 3% no número de aeronaves compradas no ano passado.
"O agronegócio se tornou um comprador sólido e tem potencial de crescer ainda mais", disse o diretor de vendas de aeronaves da Líder Aviação, que representa a Honda Aircraft no País, Philipe Figueiredo. Por outro lado, as indústrias da construção civil e de óleo e gás praticamente deixaram de ser clientes.
O presidente da Helibras, Richard Marelli, destaca que o segmento de helicópteros tem sofrido por ter focado muito na venda de equipamentos que atendiam plataformas de petróleo offshore. Em todo o mundo, a comercialização de helicópteros também caiu com a diminuição dos preço do petróleo verificada nos últimos anos, diz Marelli.
Para o executivo da Helibrás, os patamares de venda só atingirão níveis mais saudáveis depois de 2019. Marelli afirma que falta confiança no mercado, e que isso não vai melhorar antes da eleição presidencial. "Paramos de piorar, mas a subida é devagar, e o mercado só vai voltar de verdade quando a confiança for retomada."
Figueiredo é ainda mais pessimista e só vê um crescimento mais acelerado para depois de 2020. "O que temos agora é um cenário melhor do que o de dois anos atrás, mas é uma melhoria amena. A concretização ficará para mais tarde." A Líder comercializava entre 25 e 30 aeronaves antes da crise. Em 2016, os negócios caíram à metade. Globalmente, o setor de aviação executiva também vive uma retração desde 2009.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia