Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 16 de agosto de 2017. Atualizado às 14h23.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

agronegócios

16/08/2017 - 14h25min. Alterada em 16/08 às 14h26min

Ações da JBS sobem pelo segundo dia após balanço

As ações ordinárias da JBS, dona da Friboi, fecharam em alta na terça-feira, 15, de 1,05%, um dia após o divulgação de resultados da companhia. Nesta quarta-feira (16) elas avançam 0,81%, a R$ 8,76, próximo do fim do período da manhã. O grupo anunciou queda de 79,8% de seu lucro, para R$ 309,8 milhões no segundo trimestre. As vendas líquidas caíram 4,6%, para R$ 41,6 bilhões.
Em teleconferência, o presidente da JBS, Wesley Batista, afirmou que espera melhores resultados para a companhia para o segundo semestre. Os resultados do segundo trimestre foram afetados, segundo ele, pela variação do câmbio. O grupo JBS e a holding J&F, da família Batista, entraram no olho do furacão em 17 de maio, quando vieram à tona as delações dos irmãos Joesley e Wesley Batista.
A empresa colocou diversos ativos à venda após a delação. Além das operações de carne da América do Sul, negociadas para o Minerva, o grupo se desfez de Vigor e Alpargatas. Agora, negocia o frigorífico Moy Park, a Eldorado (de celulose) e ativos de confinamento de gado nos EUA, além da Âmbar, de energia. Batista disse que o grupo não pretende se desfazer de mais ativos.
Segundo ele, a empresa não desistiu de fazer a abertura de capital da JBS Foods International na Bolsa de Nova York (Nyse). Batista disse que o projeto deverá ocorrer a partir de 2018.
A companhia, que negociou acordo de leniência e concordou em pagar R$ 10,3 bilhões ao Ministério Público Federal (MPF), está em conversas para concluir medida parecida com o Departamento de Justiça dos Estados Unidos (DoJ).
O braço de participações do BNDES, o BNDESPAr, acionista do grupo, convocou para o dia 1.º de setembro Assembleia Geral Extraordinária da JBS e se manifestou que tem intenção de votar favoravelmente para uma ação civil contra os irmãos Batista. A JBS preferiu não fazer "manifestações de qualquer acionista antecipadamente à AGE".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia