Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 08 de agosto de 2017. Atualizado às 12h04.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

trabalho

Alterada em 08/08 às 12h05min

Taxa de desemprego entre os jovens sobe na Região Metropolitana de Porto Alegre

Aumento do desemprego entre os jovens foi superior ao observado para a população geral em 2016

Aumento do desemprego entre os jovens foi superior ao observado para a população geral em 2016


CLAITON DORNELLES/JC
A taxa de desemprego entre os jovens sofreu aumento de 26,6% entre 2015 e 2016, atingindo um contingente de 106 mil desempregados. O número corresponde a um acréscimo de 17 mil jovens desempregados em relação ao ano anterior. O informe especial sobre a inserção da população jovem, que compreende a faixa etária de 15 a 29 anos, no mercado de trabalho da Região Metropolitana de Porto Alegre (RMPA) foi divulgado nesta terça-feira (8) pela Fundação de Economia e Estatística (FEE).
Segundo os dados, o aumento na taxa de desemprego entre os jovens em 2016 foi superior ao observado para a população em geral. Assim, eles representavam mais da metade dos desempregados na RMPA. Além disso, os jovens tiveram uma retração no nível ocupacional mais intensa do que a registrada para os adultos, com a redução de 48 mil jovens ocupados. Já o rendimento médio real teve queda de 5,4% para os jovens, no período, tendo aumentado o risco relativo de os jovens serem trabalhadores de baixos salários.
Um dado positivo da pesquisa se refere ao aumento da escolaridade dos jovens. A parcela com ensino médio completo aumentou de 32,0% em 2000 para 45,6% em 2016, enquanto a parcela de jovens com o ensino superior completo aumentou de 3,6% para 6,2% no período. Por outro lado, a parcela de jovens com o ensino fundamental incompleto reduziu-se de 32,7% em 2000 para 14,8% em 2016.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia