Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 07 de agosto de 2017. Atualizado às 22h50.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Transporte

Notícia da edição impressa de 08/08/2017. Alterada em 07/08 às 21h18min

GM interrompe produção de carros em Gravataí

Segundo a montadora, fabricação será restabelecida assim que existirem condições seguras de transporte

Segundo a montadora, fabricação será restabelecida assim que existirem condições seguras de transporte


CLAITON DORNELLES /CLAITON DORNELLES /JC
As mobilizações e bloqueios realizados por caminhoneiros em retaliação ao aumento da tributação sobre os combustíveis fará com que a GM pare a partir de hoje a fabricação de automóveis na planta de Gravataí. A companhia justifica a sua decisão devido ao clima de insegurança causado pelas manifestações e paralisações promovidas pelos motoristas.
De acordo com nota da montadora, "a produção será restabelecida assim que existirem condições seguras de transporte de materiais do porto do Rio Grande até a cidade de Gravataí". O Fundo de Desenvolvimento e Defesa Sanitária Animal (Fundesa) também informou ontem que grande parte das empresas exportadoras de proteína animal vai começar a escoar a produção para o mercado internacional através de portos catarinenses.
"Realizamos levantamento em outros estados e o Rio Grande do Sul é a única unidade da federação que permanece com bloqueios neste nível", afirma o presidente do Fundo, Rogério Kerber. Conforme o dirigente, este tipo de situação, além dos prejuízos econômicos imediatos, com a suspensão dos abates e não cumprimento de contratos, faz com que as empresas acabem desistindo de investir do Rio Grande do Sul. "Isso é seríssimo, pois vai prejudicar o Estado a longo prazo", ressalta. Kerber afirma que o ponto mais crítico no Estado fica em Pelotas, onde existe, inclusive, o apedrejamento de caminhões e outros veículos. As indústrias mais afetadas são as exportadoras de carne de aves e suínos. O Sindicato das Indústrias de Produtos Suínos informa que há pelo menos 4 mil toneladas retidas nas plantas de suínos.
Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), os protestos haviam cessado no sábado e foram retomados ontem. Como a Justiça Federal determinou a proibição do bloqueio de estradas por parte dos caminhoneiros, a PRF está tratando os incidentes no Rio Grande do Sul como casos de vandalismo e tentando identificar os participantes. Nessa segunda-feira, no Estado, houve registros de apedrejamentos de veículos em rodovias que cortam municípios como Cristal, Camaquã, Guaíba, Cruz Alta, Bagé e Três Passos.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia