Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 04 de agosto de 2017. Atualizado às 17h40.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 04/08 às 17h43min

Petróleo sobe na semana com consumo dos EUA e encontro da Opep no radar

Os contratos futuros de petróleo encerraram o pregão desta sexta-feira (4) e a semana em alta, impulsionados pela perspectiva de queda de produção e aumento do consumo nos Estados Unidos. O movimento foi limitado, no entanto, pela expectativa em torno da reunião de monitoramento de membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), na próxima semana.
Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o barril do WTI com entrega em setembro fechou em alta de US$ 0,55 (+1,12%), a US$ 49,58. Na semana, o ganho foi de 1,10%. Na Intercontinental Exchange (ICE), o Brent para outubro subiu US$ 0,41 (0,79%), para US$ 52,42, postando ganho semanal de 1,75%.
A perspectiva de queda da produção nos Estados Unidos deu suporte aos ganhos do petróleo nesta semana. Além do relatório do Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês), que apontou para redução de 1,527 milhão de barris nos estoques, nesta sexta-feira a companhia de serviços Baker Hughes afirmou que o número de poços e plataformas de petróleo em atividade nos Estados Unidos recuou 1 na última semana, para 765.
Para a próxima semana, os investidores aguardam os desdobramentos da reunião da Opep. Os membros da organização se encontrarão na segunda e na terça-feira em Abu Dabi, nos Emirados Árabes Unidos, para monitorar o acordo de redução de produção, renovado no começo de julho. Projeções do mercado indicam que, apesar dos esforços da Arábia Saudita e da Nigéria, o bombeamento avançou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia