Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 03 de agosto de 2017. Atualizado às 22h50.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

indústria automotiva

Notícia da edição impressa de 04/08/2017. Alterada em 03/08 às 22h32min

Liderança da Chevrolet no País passa pela unidade de Gravataí

Um tema onipresente na fala dos executivos da General Motors, tanto nos discursos quanto nas entrevistas, é a importância da planta de Gravataí para que a empresa tenha conquistado a liderança na venda de carros no País há dois anos. "Somos o número 1 pelos produtos que fabricamos aqui em Gravataí. É a casa do Chevrolet Onix, o carro mais vendido do Brasil e do Mercosul", exaltou o presidente da GM Mercosul Carlos Zarlenga.
"Esse novo investimento vai assegurar a continuidade da liderança da Chevrolet, e também vai criar emprego e desenvolvimento econômico. Temos orgulho dos 17 anos em que produzimos 3,5 milhões de veículos aqui na nossa planta de Gravataí."
O vice-presidente da GM Mercosul, Marcos Munhoz, observou que levou tempo para atingir, primeiro, a liderança do mercado no Rio Grande do Sul, e, depois, a liderança nacional da Chevrolet nos últimos dois anos. "O Rio Grande nos fez sermos uma GM grande."
O executivo projetou que o novo produto gaúcho "dará muito mais longevidade" à planta de Gravataí. "Esse tipo de investimento é que faz a gente garantir a perenidade dessa operação." E arrancou aplausos da plateia ao analisar que o momento é propício, já que "o mercado deve se reaquecer de forma forte".
Munhoz lembrou as ações iniciadas há 20 anos para a fabricação do Celta, o primeiro carro e as ampliações em 2004 e 2009, com a produção do Onix e do Prisma. Calculou que a soma de investimentos nessas duas décadas - sem correção monetária - chegue a R$ 7 bilhões, e se dirigiu ao governador José Ivo Sartori para destacar a longevidade da relação com o Estado, que deve seguir por muitos anos. "Nós fizemos uma promessa na época, governador, não sei se o senhor se lembra: Isso é só o começo, nós não viemos aqui para uma aventura de curto prazo."
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia