Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 01 de agosto de 2017. Atualizado às 21h30.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

01/08/2017 - 21h13min. Alterada em 01/08 às 21h34min

Dólar avança ante rivais apoiado por dado de inflação nos EUA

O dólar avançou na comparação com os seus principais rivais nesta terça-feira (1), apoiado por dados que mostraram que a inflação continua morna nos Estados Unidos, enquanto outro indicador apontou para o declínio das atividades manufatureiras do país em julho.
No fim da tarde em Nova Iorque, o dólar avançava para 110,29 ienes, de 110,24 ienes na tarde de ontem; e o euro recuava para US$ 1,1803, de US$ 1,1840.
O indicador favorito do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA), o índice de preços para gastos com despesas pessoais, veio estável em junho, na comparação mensal - a segunda leitura estável consecutiva. O núcleo dos preços, que exclui categorias voláteis, como comida, se estabilizou em 1,5% ante junho do ano passado. Ainda assim, os últimos números mostram que a inflação está abaixo da meta de 2% do BC, um possível obstáculo para elevações de juros futuras.
As expectativas de que as taxas nos EUA permaneçam baixas tendem a pesar no dólar, ao encorajar investidores a comprarem moedas mais rentáveis.
Separadamente, o indicador do Instituto para Gestão de Oferta (ISM, na sigla em inglês) para atividade manufatureira caiu em julho ante junho, mas ainda veio um pouco acima das expectativas do mercado.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia