Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 24 de agosto de 2017. Atualizado às 22h57.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Fernando Albrecht

Começo de Conversa

Notícia da edição impressa de 25/08/2017. Alterada em 24/08 às 21h26min

Os fantasmas do Majestic

Fotos CASA DE CULTURA MARIO QUINTANA/ACERVO/JC
A Casa de Cultura Mario Quintana recebeu da curitibana Vera Lúcia Didonet Thomaz a doação de um claviculário de madeira, um armário com ganchos para guardar as chaves dos quartos. O interessante é que o móvel era do antigo Hotel Majestic de Porto Alegre, que ela arrematou no leilão após o fechamento do estabelecimento, há mais de 30 anos. Lê-se "Magestic", mas o nome do hotel é com "J". Os fantasmas de hóspedes antigos, como Mario Quintana, podem estar pendurados nos ganchos.

A saudação do Gerson

O cobrador Gerson, da empresa Gazômetro, ganhou a admiração dos passageiros do ônibus que fazia a Linha Pinheiro 398, ao meio-dia de quarta-feira. Todos os que passavam pela catraca ele saudava com "boa tarde". São pequenos gestos de civilidade que a cidade esqueceu e que tornam o dia de qualquer um mais feliz. Pessoas como Gerson fazem uma falta danada na cidade.

A história do Fedor...

A propósito das notas sobre o Fedor, no bairro Bom Fim (Schtink, em iidish), era assim chamado porque nunca lavavam o banheiro. Antes da churrascaria, a casa tinha um salão de bilhar, onde as diferenças eram resolvidas no tapa, faca ou bala, não necessariamente nesta ordem. Podia-se ir lá de madrugada e comer uma costela às vezes boa, às vezes um ultraje a rigor. Naqueles tempos, carne macia era como acertar na Mega-Sena.

...e da Tia Dulce

Não longe dali, quedava o Tia Dulce, na avenida Independência, pouco adiante da rua Santo Antônio em direção ao bairro, que só fechava ao alvorecer. O forte era uma sopa de cebola que acordava até defunto e, fosse hoje, transformava zumbi novamente em ser humano normal. Nunca mais apareceu sopa de cebola igual. A Tia era casada com um capitão do Exército norte-americano, seu Cassel, que lutou na II Guerra Mundial, apesar de ser alemão.

Bons, mas...

A nova Loja Lebes da avenida Borges de Medeiros, antigo prédio da Guaspari, está bonita e movimentada. O café no último andar e o restaurante no 4º andar são bastante atrativos, mas o porém de sempre são os lentos elevadores. Levam uma eternidade subir e descer até o térreo.

Mulheres na guerra

O evento "História - Ciclo de Palestras e Debates" ocorre neste sábado, às 10h, na Livraria Erico Verissimo, em Porto Alegre, com palestra da professora e historiadora Hilda Flores. Ela falará sobre seu livro "Mulheres na Guerra dos Farrapos".

Caso triste

Uma senhora teve que despedir, dentro da lei, uma fiel empregada que a acompanhava há muitos anos por motivos de saúde e de dinheiro. Ela não conseguia mais pagar - além do salário, transporte e alimentação - o e-Social, que inclui uma dezena de itens, como a Contribuição de Risco Ambiental. Por justos que sejam, esses penduricalhos impedem a contratação de domésticas. Precisa ganhar muito.

O negócio dinheiro

Imprimir dinheiro e cunhar moedas não será mais um bom negócio no médio prazo. O dinheiro de plástico tirou um bocado de serviço da nossa Casa da Moeda, sem falar que o filé dessa atividade eram os chamados papéis de segurança, mercado que definhou com a eletrônica desempenhando esse papel, literalmente. E ela precisa substituir continuamente cédulas gastas e moedas sumidas a um custo alto. Cunhar uma moeda, às vezes, custa mais caro que seu valor de face.

Historinha de sexta-feira

Misto de lancheria, padaria e restaurante, o Matheus ficava na Rua da Praia ao lado do Clube do Comércio. Um baixinho mordedor sempre ficava na calçada em frente e pedia para conhecidos que lhe pagassem uma empada de galinha e um Guaraná. Um dia, veio o troco. A vítima pediu ao balconista que injetasse mostarda de fazer estátua chorar na empada e pimenta ardida no refrigerante. Quando o baixinho fez um enorme nhac na empada, pegou fogo. Em chamas, tentou apagar o fogo com o Guaraná. Dali em diante, ele mudou a pedida.
-Doutor me paga qualquer lanche, mas, pelo amor de Deus, não quero nem empada, nem guaraná!
 

Miúdas

  • FOTO em que Lula (PT) aparece em campanha aparece ao lado do senador Renan Calheiros (PMDB) o torna campeão na modalidade tiro no pé.
  • CASO tenha sido proposital a pose de Renan, o torna PhD na categoria Muy Amigo.
  • CÂMARA dos Deputados adiou a reforma política. Razão tinha o Barão de Itararé: de onde menos se espera, dali mesmo que não sai nada.
  • NOTA divulgada pelo PSDB informa que reunião reforçou a unidade do partido. Como assim, reforçou?
  • CONGRESSO Nacional é como Getulio Vargas definiu seu ministério: metade é capaz de tudo, e metade é capaz de nada.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia