Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 29 de julho de 2017. Atualizado às 15h23.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Operação Lava Jato

29/07/2017 - 15h20min. Alterada em 29/07 às 15h23min

Planilhas da JBS registram repasses de R$ 1,1 bilhão a políticos, afirma revista

Material é parte dos documentos que JBS entregará à Procuradoria-Geral da República

Material é parte dos documentos que JBS entregará à Procuradoria-Geral da República


EVARISTO SA/AFP/JC
Folhapress
Documentos publicados pela revista Época neste sábado (29) mostram como a JBS organizava pagamentos a políticos. As planilhas com a contabilidade detalhada fazem parte do material que a empresa entregará à Procuradoria-Geral da República como parte de seu acordo de delação, segundo a revista.
As tabelas têm informações que abrangem desde a eleição municipal de 2006 até a campanha de 2014. Nos últimos 11 anos, os repasses chegaram a R$ 1,1 bilhão, de acordo com os papéis. A empresa também apresentará comprovantes bancários, notas fiscais e contratos.
A pedido do presidente Michel Temer (PMDB), diz a revista, foram distribuídos R$ 21,7 milhões para aliados. Também são mencionados o ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), com recebimento de R$ 50 milhões, e o senador Aécio Neves (PSDB-MG), com R$ 18 milhões, entre outros. Para o PT, de acordo com os documentos, foram US$ 151 milhões pagos no exterior e R$ 111,7 milhões no Brasil.
O executivo Ricardo Saud, delator da JBS, já havia revelado o pagamento de propina a 1.829 candidatos eleitos.
Procurados, os políticos citados negaram envolvimento no esquema e afirmaram só receber doações legais.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia