Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 10 de julho de 2017. Atualizado às 23h03.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

assembleia legislativa

Notícia da edição impressa de 11/07/2017. Alterada em 10/07 às 22h33min

MP pede nova cautelar contra extinção de fundações

Trabalhadores de diversas categorias lotaram o Teatro Dante Barone

Trabalhadores de diversas categorias lotaram o Teatro Dante Barone


MARIANA CARLESSO/MARIANA CARLESSO/JC
Lívia Araújo
Em audiência pública realizada na noite de ontem no Teatro Dante Barone da Assembleia Legislativa, que tratava da extinção de seis fundações estaduais, autorizadas pela Assembleia Legislativa em dezembro passado, o procurador-geral do Ministério Público (MP) de Contas, Geraldo Da Camino, anunciou que reiterou o pedido de medida cautelar para a suspensão do processo de extinção ao Tribunal de Contas do Estado (TCE).
Convidado pelo deputado estadual Pedro Ruas (PSOL) para falar sobre o tema e responder a questionamentos dos servidores dessas entidades, o procurador disse que as informações enviadas pelo governo do Estado ao TCE, objeto do pedido de inspeção especial feito por Da Camino em maio, foram "desprovidas de documentação comprobatória em relação aos números apresentados e às estimativas de custos dos serviços públicos", e que "tal conteúdo (...) não se revela bastante para demonstrar o atendimento às premissas inicialmente estabelecidas, em especial, no sentido de que visam à modernização e a qualificação dos serviços prestados, bem como a redução dos gastos públicos".
A audiência pública teve a participação de representantes dos servidores das fundações para o Desenvolvimento dos Recursos Humanos (FDRH), Piratini (TVE e FM Cultura), de Economia e Estatística (FEE), Zoobotânica (FZB), de Ciência e Tecnologia (Cientec) e de Planejamento Metropolitano e Regional (Metroplan), e também da Superintendência de Portos e Hidrovias (SPH) e da Companhia Rio Grandense de Artes Gráficas (Corag), que pediram a Da Camino que as inclua no pedido de cautelar feito ao TCE.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia