Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 07 de julho de 2017. Atualizado às 09h19.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Câmara de Porto Alegre

Notícia da edição impressa de 07/07/2017. Alterada em 07/07 às 09h19min

Oposição tenta anular votação que aumentou a alíquota do Previmpa

Aldacir Oliboni (e) e Alex Fraga afirmam que não foram notificados

Aldacir Oliboni (e) e Alex Fraga afirmam que não foram notificados


EDERSON NUNES/EDERSON NUNES/CMPA/JC
Carlos Villela, especial para o JC
Dois vereadores entraram com requerimento para anular a sessão extraordinária da noite de quarta-feira que aprovou o aumento da alíquota de contribuição dos servidores municipais ao Previmpa para 14%. De acordo com Aldacir Oliboni (PT) e Prof. Alex Fraga (PSOL), eles não receberam e-mail de convocação, e ficaram sabendo sobre a votação de maneira extraoficial.
"Não recebemos o e-mail que foi enviado para os demais, não recebemos convite nem comunicado, fomos excluídos do processo de votação", disse Fraga, criticando o que chamou de "votação às escuras". Já Oliboni afirmou que ficou sabendo que a votação ocorreu após ver uma mensagem no WhatsApp avisando da sessão, e que "o regimento prevê a convocação de todos os vereadores, e é preciso investigar o porquê da nossa não convocação".
Essa seria a mesma mensagem recebida por Sofia Cavedon (PT) - no momento da votação, ela estava no Palácio da Polícia acompanhando a situação de um manifestante encaminhado até lá. Sofia comenta que só soube da reunião por ter visto a mensagem no aplicativo. Embora tenha recebido o ofício de convocação, ela questiona os motivos para tanta celeridade. "Eu vi a mensagem 19h55min chamando para a sessão, que começava 20h15min, não tinha nem como eu chegar a tempo", afirmou.
Na sessão desta quinta-feira, o presidente da Casa, vereador Cassio Trogildo (PTB), defendeu a legitimidade da votação, que teria sido feita com concordância entre a maioria dos líderes das bancadas, que todos os parlamentares foram convocados e que a sessão extraordinária somente ocorreu desta forma por conta da invasão do plenário Otávio Rocha por um grupo de manifestantes contrários ao projeto.
Líder da oposição, Fernanda Melchionna (PSOL) cita o artigo 187 do Regimento Interno, que diz que uma sessão extraordinária deve ser convocada via ofício pelo presidente ou por requerimento feito por um vereador e aprovado em plenário. Ela também aponta que o tempo de convocação não teria sido respeitado. Segundo o artigo 211, "a Câmara só poderá ser convocada extraordinariamente com antecedência mínima de 48 horas, salvo em casos de extrema urgência". Agora, os vereadores aguardam parecer da Procuradoria da Câmara.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia