Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 23 de julho de 2017. Atualizado às 22h50.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Venezuela

Notícia da edição impressa de 24/07/2017. Alterada em 23/07 às 22h49min

Juiz nomeado pelo Congresso é preso; serão detidos 'um a um', avisa Maduro

Um dos magistrados nomeados na sexta-feira pela Assembleia Nacional da Venezuela, de maioria oposicionista, foi detido pelo Serviço Bolivariano de Inteligência Nacional (Sebin) na noite de sábado, dia em que milhares de pessoas marcharam em Caracas contra o projeto do presidente Nicolás Maduro de reescrever a Constituição do país. Novos protestos estão previstos, incluindo uma paralisação de 48 horas durante a semana.
Maduro afirmou ontem que os magistrados, escolhidos pelo Parlamento para substituir os juízes do Tribunal Supremo de Justiça (TSJ), considerados "ilegítimos" pelo órgão, serão presos "um a um". "Todos vão presos e todos terão congelados os bens, as contas e tudo mais. E ninguém vai defendê-los", disse Maduro durante seu programa semanal na TV pública.
O presidente do Congresso, deputado Julio Borges, confirmou a detenção do recém-nomeado magistrado Ángel Zerpa e denunciou no Twitter que havia tido início "uma perseguição da ditadura de Maduro a magistrados juramentados constitucionalmente".
A coalizão Mesa de Unidade Democrática (MUD) convocou para quarta-feira uma paralisação cívica nacional de 48 horas e, para sexta-feira, uma grande mobilização com o objetivo de dar mais força aos protestos. O anúncio foi feito pelo deputado Simón Calzadilla.
No sábado, milhares de pessoas responderam ao chamado da coalizão oposicionista e se mobilizaram em Caracas e outras cidades venezuelanas. Os manifestantes lutam contra o projeto de Maduro de convocar eleições para o próximo domingo, para Assembleia Constituinte. Até agora, cerca de 100 pessoas morreram em conflitos entre o governo e a oposição.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia