Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 17 de julho de 2017. Atualizado às 21h51.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Venezuela

Alterada em 17/07 às 21h53min

Trump cogita ações econômicas 'fortes e rápidas contra Venezuela'

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, está cogitando tomar medidas econômicas "fortes e rápidas" contra o governo do seu homólogo da Venezuela, Nicolás Maduro, caso este mantenha o plano de convocar uma assembleia constituinte no país no final do mês.
"Os Estados Unidos não vão se manter inertes enquanto a Venezuela desmorona", afirmou o presidente dos EUA, em comunicado publicado pela Casa Branca. "Caso Maduro imponha a Assembleia Constituinte em 30 de julho, os Estados Unidos tomarão medidas fortes e rápidas contra a Venezuela."
Neste domingo, mais de 7 milhões de venezuelanos votaram em um referendo não oficial realizado pela oposição para pressionar o Maduro e repudiar o plano dele de alterar a Constituição do país.
O governo planeja eleger uma Assembleia Constituinte no dia 30. O plebiscito simbólico teve como objetivo atacar a legitimidade do líder chavista em meio a meses de protestos contra o governo que já deixaram quase 100 mortos.
Durante o plebiscito de domingo, uma mulher morreu e outras três pessoas ficaram feridas quando homens de motocicletas atiraram em opositores que votavam no oeste de Caracas. O ataque, que terminou com a morte de Xiomara Soledad Scott, de 61 anos, aconteceu em um centro de votação no popular bairro de Cátia.
De acordo com Trump, o povo venezuelano "deixou novamente claro que eles defende a democracia, a liberdade e o Estado de direito". "Maduro é um líder ruim que sonha em se tornar ditador", disse o comunicado do presidente dos EUA.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia