Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 05 de julho de 2017. Atualizado às 21h26.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Relações internacionais

Alterada em 05/07 às 21h30min

EUA e Europa querem maior pressão sobre a Síria por ataque com gás sarin

Os Estados Unidos e governos da Europa têm pressionado por uma maior pressão internacional sobre a Síria por causa do ataque com gás sarin ocorrido no país, além de querer maior esforço para encontrar os responsáveis pelo episódio. A Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPCW na sigla em inglês) realizou uma reunião especial na quarta-feira em Haia, após confirmar em relatório recente que o gás sarin foi usado no ataque de abril na cidade de Khan Sheikhoun.
O relatório não afirmava quem era responsável pelo ataque, que matou mais de 90 pessoas. O embaixador dos Estados Unidos, Kenneth Ward, disse que "não deve haver dúvida" que o governo sírio é responsável. Além disso, delegados europeus condenaram fortemente o fato, além de pedir que a Síria coopere com a investigação.
O presidente sírio, Bashar al-Assad, nega que tenha usado armas químicas. O presidente da Rússia, Vladimir Putin, disse acreditar que o ataque foi cometido por pessoas que tentaram incriminar seu aliado Assad.

EUA e Europa querem maior pressão sobre a Síria por ataque com gás sarin

  Tamanho do texto? A  

Os Estados Unidos e governos da Europa têm pressionado por uma maior pressão internacional sobre a Síria por causa do ataque com gás sarin ocorrido no país, além de querer maior esforço para encontrar os responsáveis pelo episódio. A Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPCW na sigla em inglês) realizou uma reunião especial na quarta-feira em Haia, após confirmar em relatório recente que o gás sarin foi usado no ataque de abril na cidade de Khan Sheikhoun.

O relatório não afirmava quem era responsável pelo ataque, que matou mais de 90 pessoas. O embaixador dos Estados Unidos, Kenneth Ward, disse que "não deve haver dúvida" que o governo sírio é responsável. Além disso, delegados europeus condenaram fortemente o fato, além de pedir que a Síria coopere com a investigação.
O presidente sírio, Bashar al-Assad, nega que tenha usado armas químicas. O presidente da Rússia, Vladimir Putin, disse acreditar que o ataque foi cometido por pessoas que tentaram incriminar seu aliado Assad
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia