Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 18 de julho de 2017. Atualizado às 08h16.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Saúde

Notícia da edição impressa de 18/07/2017. Alterada em 18/07 às 08h20min

Governo vai terceirizar distribuição de medicamentos

Medida pretende garantir gerenciamento mais criterioso, alvo de críticas por desperdício e escassez

Medida pretende garantir gerenciamento mais criterioso, alvo de críticas por desperdício e escassez


CLÁUDIO FACHEL/PALÁCIO PIRATINI/JC
Igor Natusch
A Secretaria Estadual da Saúde (SES) pretende lançar, nos próximos dias, um edital para terceirizar o recebimento, armazenamento, transporte e distribuição de medicamentos fornecidos pelo governo. A ideia, diz o secretário João Gabbardo dos Reis, é garantir um gerenciamento mais criterioso do processo, alvo de críticas nos últimos anos por desperdício e escassez de medicamentos.
De acordo com Gabbardo, um inquérito civil do Ministério Público do Rio Grande do Sul, já no governo anterior, exigia providências quanto às "péssimas" condições estruturais e de logística. O atual centro de armazenagem, localizado em um depósito na avenida Ipiranga, em Porto Alegre, não comporta uma reforma capaz de colocá-la dentro das especificações. "É um local pequeno, inapropriado, sem refrigeração e impermeabilidade", enumera o secretário. Após fazer um levantamento dos gastos, incluindo o prejuízo com medicamentos perdidos por ficarem fora da validade ou por problemas de armazenamento, a pasta optou por terceirizar o serviço.
Entre as exigências que devem constar no edital estão a presença de redes de refrigeração, uma área mínima de 10 mil metros quadrados para armazenamento, além de uma estrutura para embarque e desembarque simultâneos, atendendo mais de um caminhão por vez. "Hoje, às vezes, recebemos até cinco caminhões por dia, o que causa demora. Alguns esperam quase uma semana para carregar ou descarregar", afirma Gabbardo. Ele frisa também que as revalidações para retirada dos medicamentos seguirão sendo controladas de forma exclusiva pela SES. "Essa autorização é feita pelo Estado, e disso não abrimos mão."
É esperada também uma melhora na disponibilidade de medicação de uso extensivo, que seguidamente enfrentam fracionamento ou escassez. Há algumas semanas, o Estado recebeu de forma parcelada os remédios do coquetel para tratamento do HIV. A alegação da SES era de repasses insuficientes por parte do Ministério da Saúde.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia