Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 05 de julho de 2017. Atualizado às 18h53.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

educação

05/07/2017 - 18h01min. Alterada em 05/07 às 18h56min

MEC busca universidade para abrir curso de Medicina em Ijuí

A nova chamada em Ijuí ocorre porque a Estácio desistiu de abrir faculdade

A nova chamada em Ijuí ocorre porque a Estácio desistiu de abrir faculdade


ALLAN DENIS FONSECA/HCI/DIVULGAÇÃO/JC
O Ministério da Educação (MEC) lançou, nesta quarta-feira (5), o edital para a seleção pública de propostas para implantar um curso de Medicina em Ijuí, na fronteira Oeste gaúcha. Quem vencer terá de ofertar 50 vagas para formação médica, graduação que costuma ter o maior valor de mensalidade entre as universidades privadas brasileiras.
O Rio Grande do Sul tem hoje 16 faculdades de Medicina, que ofertam anualmente 1.582 vagas, conforme o site Escolas Médicas, que monitora o setor. Poderão se habilitar a montar o curso mantenedoras de instituições de educação superior do sistema federal de ensino.
O edital foi lançado porque em Ijuí houve desistência da mantenedora vencedora - o grupo educacional Estácio de Sá, comprado pela Kroton, uma das companhias de educação listadas em bolsa de valores. Não houve segunda colocada com proposta classificada. Em fim de junho, o Cade reprovou a fusão das duas companhias, que geraria o maior grupo do setor no País. As duas vão atuar em separado, mas se mantém a aquisição. 
A disputa em Ijuí gerou polêmica em 2016. Na época da decisão da escolha da mantenedora, a Estácio de Sá foi selecionada, enquanto a Universidade de Ijuí (Unijuí), comunitária e com tradição na região com campi também em Panambi, Santa Rosa e Três Passos, foi descartada. A Estácio de Sá anunciou a desistência cerca de um mês depois, alegando "razões técnicas, financeiras, acadêmicas e logísticas".
A autorização para a abertura de novos cursos de medicina no Rio Grande do Sul foi publicada pelo MEC em setembro de 2016, quando também foram incluídas as cidades de Erechim, Novo Hamburgo e São Leopoldo. Nestas últimas três localidades, as graduações estão mantidas. 
Para o novo edital, poderão participar mantenedoras de instituições de ensino superior (IES) legalmente constituídas no País, que tenham pelo menos uma mantida já credenciada, integrante do sistema federal de ensino e com cadastro no Sistema e-MEC até a data de publicação do edital. A divulgação da classificação preliminar está prevista para 30 de outubro. A homologação do resultado final deve ocorrer em 31 de janeiro de 2018.
O chamamento do MEC para a criação de novos cursos de Medicina acontece dentro do programa Mais Médicos, previsto em lei de 2013, idealizado pelo governo Dilma Rousseff (PT), afatsda em maio de 2016 da presidência. Com base em estudos realizados pelo Ministério da Saúde, o MEC pré-seleciona os municípios a partir de critérios que levam em consideração a relevância e a necessidade social da oferta do curso de medicina e a estrutura de equipamentos públicos. São observados, também, os programas de saúde existentes e disponíveis no município.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia