Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 31 de julho de 2017. Atualizado às 22h30.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Crédito

Notícia da edição impressa de 01/08/2017. Alterada em 31/07 às 22h04min

Percentual de famílias endividadas aumenta em julho, afirma CNC

Os brasileiros ficaram mais endividados na passagem de junho para julho, segundo a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). A Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic) mostra que o percentual de famílias endividadas cresceu de 56,4% para 57,1% no período. Na comparação com julho do ano passado, entretanto, houve queda de 0,6 ponto percentual.
"Apesar de ter aumentado em julho, o percentual de famílias com dívidas registrou queda na comparação com o mesmo período do ano anterior, apontando um ritmo ainda fraco de concessão de empréstimos e financiamentos para as famílias, mesmo após o processo de queda das taxas de juros", avaliou Bruno Fernandes, economista da CNC, em nota oficial.
Na direção oposta, houve ligeiro recuo na proporção de famílias com dívidas ou contas em atraso, que passou de 24,3% em junho para 24,2% em julho. Em relação a julho de 2016, porém, a fatia de consumidores inadimplentes cresceu 1,3 ponto percentual.
A parcela de famílias que declararam não ter como pagar as dívidas em atraso, permanecendo inadimplentes, caiu de 9,6% em junho para 9,4% em julho, o que ainda representa um aumento de 0,7 ponto percentual na comparação com julho de 2016.
A proporção de famílias que se disseram muito endividadas subiu de 13,8% em junho para 14% em julho, uma queda de 0,7 ponto percentual ante julho do ano passado.
O tempo médio de atraso no pagamento de dívidas foi de 63,1 dias em julho de 2017, contra 62,4 dias de julho de 2016. Em média, o comprometimento com as dívidas foi de 7,1 meses, sendo que 32,4% das famílias possuíam dívidas por mais de um ano. Entre aquelas endividadas, 21,6% afirmam ter mais da metade da renda mensal comprometida com o pagamento de dívidas.
O cartão de crédito permanece como a principal forma de endividamento (citado por 76,8% das famílias), seguido de carnês (15,4%) e crédito pessoal (11%).
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia