Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 25 de julho de 2017. Atualizado às 10h28.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Indústria

25/07/2017 - 10h07min. Alterada em 25/07 às 10h29min

Fibria reverte lucro e registra prejuízo de R$ 259 milhões no 2º trimestre

No acumulado do primeiro semestre, o lucro da fabricante de celulose e papel ficou em R$ 70 milhões

No acumulado do primeiro semestre, o lucro da fabricante de celulose e papel ficou em R$ 70 milhões


FIBRIA/DIVULGAÇÃO/JC
No segundo trimestre de 2017, a Fibria registrou prejuízo de R$ 259 milhões, revertendo assim o lucro de R$ 745 milhões no mesmo período do ano passado. No acumulado do primeiro semestre deste ano, o lucro ficou em R$ 70 milhões, uma queda de 96% ante os seis primeiros meses do ano passado, quando o lucro somou R$ 1,723 bilhão.
O Ebitda (Lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado somou R$ 1,071 bilhão, um avanço de 16% ante o segundo trimestre de 2016. No primeiro semestre de 2017, o Ebitda somou R$ 1,714 bilhão, queda de 21% contra o ano passado. A margem Ebitda pró-forma subiu de 43% para 45% no trimestre, mas caiu de 48% para 41% na comparação do semestre de 2017 ante 2016. Segundo o informe de resultados da Fibria, a margem Ebitda pró-forma exclui as vendas da celulose proveniente do contrato com a Klabin.
De abril a junho de 2017, a receita líquida totalizou R$ 2,775 bilhões, uma alta de 16% ante o mesmo período do ano passado. No total dos seis primeiros meses do ano, a receita líquida foi de R$ 4,849 bilhões, praticamente estável ante o ano passado.
De acordo com o informe de resultados, o prejuízo de R$ 259 milhões é explicado pelo resultado financeiro negativo, de R$ 789 milhões, contra um valor positivo de R$ 1,095 bilhão no segundo trimestre de 2016, decorrente da valorização do dólar no fechamento em relação ao real, resultando em despesa proveniente da variação cambial sobre a dívida e sobre os instrumentos de hedge.
Já o avanço de 16% do Ebitda na comparação trimestral ocorreu com o maior volume de venda e aumento de 11% do preço médio líquido em dólar da celulose.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia