Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 23 de julho de 2017. Atualizado às 22h54.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

contas públicas

Notícia da edição impressa de 24/07/2017. Alterada em 23/07 às 21h21min

Fiesp distribui patos de borracha na Avenida Paulista

SÃO PAULO, SP - 23.07.2017: FIESP DISTRIBUI PATOS CONTRA IMPOSTOS - Bonecos contra o aumento dos impostos foram distribuidos em frente à sede da FIESP na Avenida Paulista, na tarde deste domingo (23). Os brinquedos fizeram sucesso entre adultos e crianças. (Foto: Bruno Rocha /Fotoarena/Folhapress) ORG XMIT: 1361726

SÃO PAULO, SP - 23.07.2017: FIESP DISTRIBUI PATOS CONTRA IMPOSTOS - Bonecos contra o aumento dos impostos foram distribuidos em frente à sede da FIESP na Avenida Paulista, na tarde deste domingo (23). Os brinquedos fizeram sucesso entre adultos e crianças. (Foto: Bruno Rocha /Fotoarena/Folhapress) ORG XMIT: 1361726


BRUNO ROCHA/BRUNO ROCHA/FOTOARENA/FOLHAPRESS/JC
A Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) distribuiu na tarde de ontem, patos infláveis para os pedestres na Avenida Paulista, que fica fechada para carros aos domingos. A ação ocorreu no mesmo dia em que o presidente da entidade, Paulo Skaf, se reuniu fora da agenda oficial com o presidente Michel Temer, em sua residência em São Paulo.
Os bonecos de plástico são uma alusão à retomada da campanha "Não vou pagar o pato", que havia sido lançada pela Fiesp em 2015. A ação contrária ao aumento de impostos foi retomada na semana em que o governo federal anunciou o reajuste da contribuição do PIS/Cofins para os combustíveis, uma medida para tentar conter o rombo fiscal.
Semana passada, após o aumento de impostos, Skaf disse que houve um erro de Temer em aprovar o aumento da carga tributária, mas que o governo não vai perder a credibilidade por causa de apenas uma medida.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia