Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 23 de julho de 2017. Atualizado às 22h50.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado de capitais

Notícia da edição impressa de 24/07/2017. Alterada em 23/07 às 20h08min

Aplicações no Tesouro Direto em junho atingem recorde para o mês

A venda de títulos públicos a pessoas físicas pela internet atingiu recorde em junho. Segundo números divulgados pelo Tesouro Nacional, as vendas somaram R$ 1,452 bilhão no mês passado, o maior montante registrado para meses de junho desde a criação do programa, em 2002.
O recorde mensal absoluto foi registrado em março deste ano, quando as vendas totalizaram R$ 2,648 bilhões. Em junho, os títulos mais procurados pelos investidores foram os vinculados à taxa Selic - juros básicos da economia -, que concentraram 44,3% das vendas.
Os papéis corrigidos pela inflação oficial pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) representaram 37,4% do total. Os títulos prefixados, com juros definidos no momento da emissão, corresponderam a 18,3%.
Os investimentos de menor valor continuaram a liderar a preferência dos aplicadores no Tesouro Direto em junho. As vendas abaixo de R$ 5 mil concentraram 77,8% do volume aplicado no mês. O número de investidores ativos - que efetivamente possuem aplicações - subiu 14.655, alcançando 507.654, alta de 65,5% nos últimos 12 meses.
Com o resultado de junho, o estoque de títulos públicos aplicados no Tesouro Direto cresceu 2,3% em relação a maio, alcançando
R$ 46,7 bilhões. A variação do estoque representa a diferença entre as vendas e os resgates, mais o reconhecimento dos juros que incidem sobre os títulos.
Em junho, os resgates somaram R$ 707,2 milhões, relativos a recompras (quando o Tesouro recompra títulos em circulação). No mês passado, não houve vencimentos de títulos (quando o prazo do papel acaba e o Tesouro paga os investidores).
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia