Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 18 de julho de 2017. Atualizado às 19h24.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura

Alterada em 18/07 às 19h25min

Equipe econômica ainda está em processo de discussão do relatório bimestral

A secretária do Tesouro Nacional, Ana Paula Vescovi, afirmou nesta terça-feira (18), que a equipe econômica ainda está discutindo os dados do relatório de avaliação de receitas e despesas do 3º bimestre. Ela não antecipou, contudo, se a tendência é haver liberação ou corte de recursos do Orçamento. "Nosso compromisso é de levar a melhor informação possível a partir dos parâmetros", disse.
Como mostrou nesta segunda-feira (17), o Broadcast, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado, o governo praticamente descartou a possibilidade de liberar parte dos R$ 39 bilhões ainda bloqueados no Orçamento e já considera eventual necessidade de ampliar o corte.
Hoje, o Tesouro Nacional ainda informou que vai incorporar uma despesa primária adicional de R$ 1,408 bilhão em 2017 até maio com a nova metodologia de impacto fiscal do Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior (Fies). Além desse valor, o relatório trará estimativa de gasto para o ano todo.
O coordenador-geral de Estudos Econômico-Fiscais do Tesouro, Felipe Bardella, afirmou porém que não é possível avaliar se a incorporação das despesas primárias com o Fies aumenta a chance de contingenciamento. "Não tenho como responder isso agora, vai depender do conjunto de informações do relatório", afirmou.
Ana Paula disse ainda que a criação da Taxa de Longo Prazo (TLP) como nova referência para financiamentos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) faz parte do esforço do governo para explicitar qualquer eventual subsídio. "Os subsídios devem ser objeto de discussão dentro do Congresso e da sociedade", disse.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia