Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 19 de julho de 2017. Atualizado às 00h09.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Imobiliário

Notícia da edição impressa de 19/07/2017. Alterada em 18/07 às 20h40min

Indústria da construção projeta retomada a partir de 2018

Após registrar resultado negativo em 2016 (-5%) e projetar novo decréscimo para 2017, na faixa de -2,5%, a indústria da construção deverá voltar a expandir seus negócios a partir do próximo ano. A previsão foi feita ontem pelo presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (Cbic), José Carlos Martins, durante palestra na reunião-almoço do Sinduscon-RS, em Porto Alegre.
Martins atribuiu a perspectiva de melhoria à série de indicadores positivos observados na economia do País, incluindo a retomada, embora modesta, do nível de emprego e da confiança dos consumidores, juntamente com a queda da taxa de juros, que deverá chegar a 7,5% até o fim do ano.
"A maior atratividade da caderneta de poupança deslocará aplicações de outras áreas do mercado financeiro, disponibilizando mais recursos que serão canalizados para o financiamento imobiliário", projetou, ao acrescentar que há uma forte demanda reprimida por moradias.
Para o presidente da Cbic, também deverá ajudar na reativação do setor a implementação das Parcerias Público-Privadas (PPPs) e concessões. Martins também considerou da maior importância a aprovação da reforma trabalhista, pois estimulará o emprego formal, sendo seu impacto especialmente significativo no setor da construção que é altamente gerador de postos de trabalho.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia