Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 17 de julho de 2017. Atualizado às 22h41.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

tecnologia

Notícia da edição impressa de 18/07/2017. Alterada em 17/07 às 21h12min

Cade sugere condenação de empresas por cartel em LCD e notebooks

A Superintendência-Geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) sugeriu a condenação de empresas participantes de cartéis nos mercados internacionais dos principais componentes de monitores de tubo e de LCD e de notebooks.
Uma nota divulgada ontem pela instituição aponta que, em um dos processos, a superintendência recomendou a condenação da companhia Chunghwa Picture Tubes por prática colusiva no mercado internacional de fabricação e venda de tubos coloridos para computadores (em inglês, Color Display Tube - CDT). O produto é o principal componente de monitores de tubo.
Em outro processo, a SG sugere a condenação das empresas Chunghwa Picture Tubes, Epson Imaging Devices Corporation, Hannstar Display, INC, Hitachi Display, Inc e Sharp por formação de cartel na fabricação e venda de Painéis de Cristal Líquido com Transistores de Película Fina (em inglês, Thin-Film Transistor - TFT), também conhecidos como painéis de TFT LCD. O produto é o principal componente de monitores e notebooks.
A superintendência avalia, em seus pareceres, que, em ambos os casos, a conduta afetou a concorrência e causou prejuízos, no Brasil, tanto às empresas que adquiriram o produto das representadas em escala mundial, quanto aos consumidores que compraram monitores e notebooks com as tecnologias em questão.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia