Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 13 de julho de 2017. Atualizado às 21h02.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

bancos

Alterada em 13/07 às 21h03min

CVM aprova acordo com Bradesco, Robert John Van Dijk e Denise Pavarina

O Bradesco, sua diretora-executiva Denise Pavarina e o ex-diretor da Bradesco Asset Management (Bram) Robert Van Dijk fecharam um acordo de R$ 1,5 milhão com a Comissão de Valores Mobiliários (CVM). O objetivo é encerrar sem julgamento e assunção de culpa um processo administrativo sancionador no qual eram acusados de violar obrigações enquanto administradores de fundos de investimento, como revelou o Broadcast, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado, em janeiro.
Atualmente executivo do Votorantim, Van Dijk já esteve à frente da Bram, de onde saiu em 2010. Em abril do ano passado ele assumiu a presidência da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima), justamente no lugar de Denise Pavarina, que esteve à frente da associação de 2012 a 2016.
Os dois executivos e o Bradesco foram acusados pela Superintendência de Relações com Investidores Institucionais da CVM de manterem a taxa de administração do Bradesco Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento Curto Prazo Fácil em patamar incompatível com os objetivos de investimento, inviabilizando que a rentabilidade do fundo se aproximasse aos objetivos previstos em seu regulamento. Segundo a área técnica suas práticas teriam ferido a relação fiduciária existente entre administrador e gestor e os cotistas.
Os acusados apresentaram inicialmente uma proposta conjunta de termo de compromisso no valor de R$ 450 mil. No entanto, com a identificação de um outro processo administrativo sancionador com acusação similar, a proposta foi elevada para um total de R$ 1,5 milhão - R$ 1,1 milhão do Bradesco e R$ 200 mil para cada diretor.
O diretor relator do caso Henrique Machado considerou a proposta oportuna e conveniente, por ser adequada para surtir efeito paradigmático junto ao mercado, desestimulando a prática de condutas desta natureza. O voto de Machado foi seguido pelo colegiado, que aprovou o acordo.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia