Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 13 de julho de 2017. Atualizado às 23h12.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Agronegócios

Notícia da edição impressa de 14/07/2017. Alterada em 13/07 às 21h25min

Arrozeiros ganham alongamento dos custeios

O governo federal atendeu pedido da Federação das Associações de Arrozeiros do Rio Grande do Sul (Federarroz) em relação ao alongamento dos custeios com vencimento nos meses de julho e agosto aos produtores de arroz do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina. Com isso, os produtores que acessaram crédito pelo Banco do Brasil (BB), que engloba parcela considerável dos orizicultores, poderão pagar os vencimentos nos meses de setembro e outubro. Caso o mercado não melhore liquidez, há a possibilidade de ocorrer novo alongamento.
Na avaliação do presidente da entidade, Henrique Dornelles, o alongamento vem em boa hora, em tempo dos produtores se reorganizarem para realizarem o faturamento mais tarde e, assim, poderem desfrutar de maior demanda e cotações mais valorizadas.
"Isto deverá dar um alívio aos produtores que poderão faturar seu produto a preços remuneradores no mesmo momento em que indústrias de fora do Rio Grande do Sul passam a buscar arroz aqui no Estado, aumentando a demanda", ressalta.
Na última semana, o vice-presidente da Federarroz, Alexandre Velho, fez a defesa da medida junto aos representantes da Câmara de Crédito, Seguro e Comercialização, organizada pelo Ministério da Agricultura, mostrando a necessidade de uma medida urgente para os produtores que estão com a situação de risco.
Velho informou que o custo de produção chegava a R$ 44,00, e preços médios eram de R$ 40,21, segundo dados do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) da Esalq/USP, e que os arrozeiros não poderiam pagar os vencimentos com os patamares abaixo do custo de produção. 
A Federarroz recomenda que se, em 30 dias, o mercado ganhar liquidez, os produtores devem realizar os seus faturamentos.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia