Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 11 de julho de 2017. Atualizado às 18h19.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 11/07 às 18h21min

Ibovespa sobe 1,28% com commodities e aposta em reformas

A Bovespa teve nesta terça-feira (11), mais uma sessão de ganhos firmes, apoiados na alta dos preços das commodities e numa visão mais otimista do cenário político doméstico. O Índice Bovespa terminou o dia com alta de 1,28%, aos 63.832,15 pontos. O volume de negócios continuou em patamar considerado baixo, somando R$ 5,88 bilhões.
Principal expectativa do dia, a sessão da plenária do Senado para votar a reforma trabalhista foi interrompida pouco depois do meio-dia, após uma manobra da oposição que contou com cinco senadoras ocupando a Mesa Diretora da Casa. O impasse durou por toda a tarde, com governistas buscando retomar a sessão e oposição buscando enviar o texto de volta à Câmara. O tumulto e a interrupção não abalaram o mercado de ações, onde a aprovação da matéria continuou a ser dada como certa.
Enquanto isso, o petróleo, que chegou a cair mais cedo, firmou-se em alta à tarde, levando as ações da Petrobras a ganhos de 2,91% (ON) e 2,92% (PN). O minério de ferro também subiu e conduziu Vale ON e PNA a avanços de 1,11% e 1,41%, respectivamente. Ainda entre as blue chips, as ações do setor financeiro subiram em bloco, tendo Banco do Brasil ON (+4,20%) à frente, num sinal de menor percepção de risco político.
"O mercado já começa a separar as coisas, acreditando que algumas pautas importantes podem avançar", disse Mário Roberto Mariante, chefe de análise da Planner Corretora. Segundo o analista, o clima mais ameno baseia-se em resultados macroeconômicos positivos e na confiança de que a atual equipe econômica seria preservada numa eventual troca de Michel Temer por Rodrigo Maia (DEM-RJ) no poder.
"A parte macro está ajudando nessa percepção mais tranquila, como temos visto nos índices de inflação. Na parte política, a percepção é de que nada mudaria muito com a manutenção da equipe econômica. Mesmo assim, o volume de negócios na bolsa continua bastante reduzido, o que mostra que muitos investidores preferem continuar assistindo de fora", afirmou.
No cenário corporativo, começam a ser divulgados na próxima semana os resultados trimestrais das empresas, fator com potencial para alterar a dinâmica dos negócios. Segundo analistas, a ocorrência de balanços positivos teria potencial para favorecer um avanço maior do Ibovespa. Isso porque, desde a deflagração da atual crise política, o indicador tem estado preso a um intervalo restrito, bem aquém dos 67 mil pontos de 17 de maio, dia da revelação dos áudios da conversa de Michel Temer e Joesley Batista.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia