Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 11 de julho de 2017. Atualizado às 17h49.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

transporte público

Alterada em 11/07 às 17h54min

Preço das passagens da Trensurb pode subir 47%

Tarifa da Trensurb pode passar a R$ 2,50, após avaliação do Ministério das Cidades

Tarifa da Trensurb pode passar a R$ 2,50, após avaliação do Ministério das Cidades


MAURO SCHAEFER/ARQUIVO/JC
O preço das passagens dos trens operados pela Trensurb pode subir do valor atual de R$ 1,70 para R$ 2,50, um reajuste de 47%. A informação foi confirmada pela empresa em nota divulgada na tarde desta terça-feira (11).
Segundo o texto, a avaliação do aumento foi solicitada ao Ministério das Cidades, considerando o congelamento da tarifa desde 5 de janeiro de 2008, quando passou a vigorar o valor atual. A inflação acumulada no período, conforme o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), é de 78,8%, contra o aumento pedido de 47%.
"A Trensurb trabalha com uma tarifa social, o que faz com que a arrecadação com as passagens seja bastante inferior aos custos demandados. Ainda que a realização de projetos comerciais busque diminuir essa diferença, há necessidade de uma significativa subvenção do governo federal para manter a empresa funcionando", diz a empresa em nota.
A empresa destaca que, mesmo com um eventual reajuste, a tarifa seguiria sendo a mais baixa entre os meios de transporte da Região Metropolitana de Porto Alegre e a alternativa mais barata para se transitar entre os seis municípios atendidos – Porto Alegre, Canoas, Esteio, Sapucaia, São Leopoldo e Novo Hamburgo. 
A solicitação está sendo avaliada por Ministério das Cidades e pelo governo federal, e ainda não há uma data definida para que aconteça reajuste ou de quanto seria efetivamente o aumento.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia