Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 06 de julho de 2017. Atualizado às 21h19.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura internacional

Alterada em 06/07 às 21h21min

China amplia comércio com Coreia do Norte, mas corta importações do país

O comércio total entre a China e a Coreia do Norte aumentou, apesar da promessa de Pequim de cumprir as sanções da Organização das Nações Unidas sobre seu programa nuclear. As compras chinesas de produtos norte-coreanos, porém, recuaram fortemente.
Dados alfandegários mostram que o comércio bilateral total aumentou 15% nos primeiros cinco meses do ano, em comparação com igual período de 2016. Isso representa menos que os 36,8% antes divulgados pela agência alfandegária chinesa e citados pelo presidente dos EUA, Donald Trump.
A China compra carvão norte-coreano, uma fonte de receita para Pyongyang. Mas um grupo de indústria sul-coreano, a Korea International Trade Association, diz que essas compras recuam 45% na comparação anual, até agora em 2017.
O crescimento do comércio foi impulsionado pelas crescentes exportações chinesas para a Coreia do Norte, enquanto as importações chinesas diminuíram, o que leva a um maior déficit comercial para Pyongyang.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia