Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 04 de julho de 2017. Atualizado às 22h38.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Consumo

Notícia da edição impressa de 05/07/2017. Alterada em 04/07 às 20h54min

Negócios em shoppings sobem 4,6% em maio

As vendas dos shopping centers no Brasil tiveram alta de 4,6% em maio deste ano em relação ao mesmo mês de 2016, de acordo com Glauco Humai, presidente da associação do setor, a Abrasce. Nos primeiros cinco meses deste ano, os negócios registraram crescimento de 4,5%.
Embora o desemprego esteja em patamar elevado, o segmento vem se mostrando resistente à crise econômica, com alta nos negócios. No ano passado, a receita do setor cresceu 4,3%.
O movimento dos shoppings é acompanhado pelo varejo em geral. Em abril, as vendas do comércio tiveram alta de 1% frente ao mês anterior, segundo o IBGE. Foi o melhor resultado para o mês desde 2006, quando houve avanço de 1,1%.
Humai adianta que o setor também planeja expansão para os próximos anos. Somente neste ano estão previstos 18 novos empreendimentos, além de 22 shoppings no ano que vem e outros 19 em 2019. Segundo o presidente da Abrasce, o potencial de crescimento é enorme, já que os shopping centers respondem por 20% das vendas do varejo no Brasil, patamar bem menor que os 55% registrados nos Estados Unidos.
"O setor vem resistindo à crise econômica. Esse aumento de receita está ligado ao aumento da eficiência, à redução dos custos e às mudanças que vêm sendo feitas nos shoppings, entre elas o aumento dos espaços voltados para o entretenimento, como lazer e restaurantes", destacou Humai.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia