Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 28 de junho de 2017. Atualizado às 12h16.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Investigação

Alterada em 28/06 às 12h16min

GPS confirma que avião com mais de 600 kg de cocaína decolou da Bolívia

Dados do GPS do avião interceptado pela Força Aérea Brasileira no espaço aéreo de Goiás, carregado com 653 kg de cocaína, confirmam que ele voava com plano de voo falso e que, na verdade, tinha decolado com a carga na Bolívia.
A prova técnica confirma o depoimento do piloto Apoena Índio do Brasil Siqueira Rocha e do copiloto Fabiano Júnior da Silva, presos em Jussara, no interior goiano, na noite de segunda-feira (26) e trazidos para a sede da Polícia Federal, em Goiânia, onde as investigações se concentram.
O GPS revelou que o bimotor prefixo PT IIJ com a droga tinha partido de Cuiabá (MT) às 4h de domingo, chegando à Bolívia às 6h40min. Após ser carregado com os sacos de cocaína, decolou com destino a Jussara às 7h40min.
Com a trajetória revelada pelo GPS, a PF descartou a possibilidade de o bimotor com vários fardos de cocaína ter decolado da Fazenda Itamarati do Norte, um imóvel arrendado pelo Grupo Amaggi, e pertencente ao ministro da Agricultura Blairo Maggi, no Mato Grosso.
No plano de voo falso também aparecia que o bimotor tinha o destino uma pista em Santo Antônio do Laverger, no MT, mas em depoimento, o piloto confessou que a droga seria entregue em Jussara. O município é considerado rota de tráfico, mas nunca houve grandes apreensões na região.
Duvidando que o destino final da carga seja mesmo Jussara, o foco da polícia agora é identificar as siglas encontradas nos fardos, onde constam SP, CR7 e NETO, e assim localizar o real destino e os donos da cocaína.
O volume apreendido foi o maior registrado em 2017 pela Polícia Militar de Goiás, que atuou com helicópteros após a queda da aeronave, apreendendo a carga que foi entregue na PF.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia