Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 30 de junho de 2017. Atualizado às 09h44.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Estados Unidos

Alterada em 30/06 às 09h48min

EUA planejam venda de armamentos a Taiwan

Folhapress
Os EUA planejam vender a Taiwan cerca de US$ 1,4 bilhão em armas, segundo a proposta que o governo de Donald Trump enviou ao Congresso ontem (29), disse a porta-voz do Departamento de Estado, Heather Nauert.
A China considera a ilha de Taiwan parte de seu território e a classifica como uma província rebelde.
Segundo Nauert, as propostas de venda de armas mostram "o apoio americano à que Taiwan mantenha uma capacidade de autodefesa". Ela afirmou, porém, que não há mudança na política de "uma única China", apoiada pelos EUA.
A última venda de armas a Taiwan ocorreu em dezembro de 2015, no governo de Barack Obama, que autorizou a venda US$ 1,2 bilhão de dólares em armas, incluindo mísseis antitanques, veículos anfíbios e duas fragatas.
Também nesta quinta-feira, os EUA impuseram sanções contra o banco chinês Dandong por supostas atividades ilícitas na Coreia do Norte, que incluem a facilitação da produção de armas de destruição em massa, disse o Departamento do Tesouro.
O Banco de Dandong "opera como canal para atividades financeiras ilícitas da Coreia do Norte, tem como principal atividade a lavagem de dinheiro" e não poderá funcionar no sistema financeiro dos Estados Unidos, declarou o Tesouro em um comunicado.
O anúncio foi feito uma semana antes da reunião do presidente Donald Trump com o seu homólogo chinês à margem da cúpula do G20, que será na Alemanha.
E embora o secretário do Tesouro, Steve Mnuchin, tenha dito que a sanção não é contra o governo chinês, a mesma incomodará o governo de Pequim, que assegura não poupar esforços para tentar diminuir as tensões entre os Estados Unidos e a Coreia do Norte.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia