Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 29 de junho de 2017. Atualizado às 18h51.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Estados Unidos

Alterada em 29/06 às 18h52min

Regras duras de viagens de 6 países de maioria muçulmana aos EUA entram em vigor

Após meses de disputa judicial, as regras mais duras para viagens aos Estados Unidos a partir de seis países de maioria muçulmana entram em vigor na noite desta quinta-feira. A medida ocorre após a Suprema Corte americana dar seu aval a uma versão limitada da iniciativa.
Agora, os que pedem visto dos seis países e todos os refugiados terão de mostrar laços familiares ou de negócios próximos com os Estados Unidos. Os países atingidos pela medida são Síria, Sudão, Somália, Líbia, Irã e Iêmen.
Até o momento, não houve grandes problemas em aeroportos pelo mundo, nas horas anteriores ao início da aplicação das novas diretrizes. Os vistos já aprovados não serão revogados, o que deve ajudar a evitar um situação caótica nos aeroportos. No primeiro momento de aplicação da iniciativa, alguns viajantes com vistos já aprovados foram impedidos de entrar em voos ou tiveram sua entrada barrada nos EUA.
Na segunda-feira, a Suprema Corte revogou parcialmente o veto de tribunais inferiores à medida. Os magistrados disseram que, mesmo nos países atingidos, deve haver permissão de entrada para os que possam provar uma relação familiar ou de negócios com uma pessoa ou entidade dos EUA. A corte citou apenas linhas gerais, sugerindo que isso pode incluir um parente, uma oferta de emprego, um convite para uma palestra, por exemplo.
A nova diretriz seguirá em vigor pelo menos até a Suprema Corte se pronunciar sobre o caso, no próximo outono local. Na ocasião, deve ser emitida uma sentença definitiva sobre o tema.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia