Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 06 de junho de 2017. Atualizado às 23h58.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Reino Unido

Notícia da edição impressa de 07/06/2017. Alterada em 06/06 às 19h53min

Partido de Theresa May mantém liderança na eleição após ataque

O Partido Conservador, da primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, deve obter a maioria dos assentos no Parlamento nas eleições gerais de amanhã, apesar de uma campanha eleitoral desafiadora, aponta a pesquisa final do instituto britânico Opinium.
Segundo o levantamento, o primeiro realizado após os atentados em Londres no sábado, o partido de May conta com 43% das intenções de voto, contra 36% do Partido Trabalhista. Em comparação com a última pesquisa, divulgada no dia 30 de maio, os conservadores mantiveram-se com o mesmo número, enquanto os trabalhistas perderam um ponto percentual.
O instituto destacou que, apesar da liderança do partido da premiê, há um "contraste claro" em relação ao começo da campanha, quando os conservadores tinham uma liderança de 19 pontos à frente dos trabalhadores. O levantamento mostrou que a campanha eleitoral prejudicou a reputação de May. No começo da campanha, a premiê britânica tinha uma taxa líquida de 21% de aprovação, e, agora, conta com 5%. Ante a última pesquisa, a taxa líquida da premiê subiu 1%, com 44% de aprovação e 39% de desaprovação.
Já o líder do Partido Trabalhista, Jeremy Corbyn, viu sua popularidade aumentar, embora a taxa líquida de aprovação permaneça negativa (-7%). Corbyn conta com 35% de aprovação, ante 42% de desaprovação. Na pesquisa anterior, a desaprovação era maior (43%), e a aprovação era menor (31%), com uma taxa líquida de -12%.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia