Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 01 de junho de 2017. Atualizado às 19h48.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Venezuela

Alterada em 01/06 às 19h51min

Procuradora-geral da Venezuela questiona decisão da Justiça sobre Constituinte

A procuradora-geral da Venezuela, Luisa Ortega Díaz, questionou a decisão do Supremo Tribunal de Justiça do país de permitir a convocação de uma Assembleia Constituinte sem a realização de referendo popular, como defende o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, e outras figuras de governo.
Para a procuradora-geral, a sentença é "um retrocesso" em relação aos direitos humanos. Ela já havia declarado que duas sentenças do Tribunal, controlado pela oposição, representavam uma "ruptura" da ordem constitucional. O processo de redação da nova Constituição, liderado pelo presidente, vem sendo criticado pela oposição, que o acusa de tentar dar um "golpe de Estado", e de impor uma "fraude constitucional".
Desde abril, quando a reforma constitucional foi proposta, há uma escalada da violência na Venezuela, com ao menos 60 mortos e mais de mil feridos. A oposição ao governo de Maduro estima que haja várias centenas de detidos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia