Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 30 de junho de 2017. Atualizado às 13h39.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

protestos

27/06/2017 - 16h19min. Alterada em 28/06 às 11h33min

Ônibus devem circular normalmente em dia de greve geral em Porto Alegre

Rodoviários da Capital não devem aderir à paralisação convocada para próximo dia 30

Rodoviários da Capital não devem aderir à paralisação convocada para próximo dia 30


FREDY VIEIRA/JC
Amanda Jansson Breitsameter
Os ônibus de transporte público da Capital devem operar normalmente na sexta-feira (30), dia em que está marcada uma greve geral em todo o País. Os rodoviários de Porto Alegre não devem aderir ao movimento, segundo o vice-presidente do Sindicato dos Rodoviários da Capital, Sandro Abade. Já metroviários e trabalhadores do transporte de ônibus metropolitano devem parar (mais informações abaixo). 
"Os próprios trabalhadores buscaram o sindicato e pediram para que não houvesse adesão à greve", explica Abade. "Eles não querem outro desconto em cima da folha de pagamento, como ocorreu com a greve do dia 28 de abril", afirma, sobre os rodoviários de Porto Alegre.
Ainda assim, Abade destaca que o sindicato é contrário às reformas da Previdência e trabalhista propostas pelo governo federal, principal motivo da manifestação das centrais sindicais, mas que o desconto na folha de pagamento "engessa" o trabalhador.
"Um motorista que tem um dia descontado de sua folha perde 150 reais. E ele tem família, filhos, contas para pagar", destaca. Segundo o dirigente, está totalmente descartada a possibilidade de bloqueios em frente às garagens. "Somos uma categoria unida, tivemos reuniões para tratar desse assunto e não cogitamos estar em frente às garagens", conta.
Outras categorias reafirmam apoio à paralisação geral
Na manhã desta terça-feira (27), em reunião na sede do Sindbancários, no Centro Histórico de Porto Alegre, representantes de diversas centrais sindicais se reuniram para debater os rumos da ação desta sexta-feira. Conforme o presidente do Sindbancários, Everton Gimenis, a categoria dos bancários está unida. 
"Se depender dos bancários, esta greve será igual ou até maior que a outra. Nossa assembleia apoiou a adesão por unanimidade, vamos mobilizar os trabalhadores com piquetes em bancos pela manhã e, ao meio-dia, vamos nos unir ao ato geral no Centro da cidade", afirma Gimenis. 
Para o presidente da Federação dos Empregados no Comércio de Bens e Serviços do Rio Grande do Sul (Fecosul) e da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil no RS (CTB-RS), Guiomar Vidor, o dia deve ser de intensa movimentação. 
"Esta greve geral tem nível nacional, não apenas estadual. Apenas em Porto Alegre já termos 30 carros de som, panfletagem em diversos pontos da cidade, piquetes permanentes da Esquina Democrática desde amanhã", destaca. Segundo ele, ainda que o transporte público por ônibus siga operando em Porto Alegre na sexta-feira, as categorias ainda debatem como farão essa participação na greve, que pode ainda ser com panfletagem ou protestos em frente às garagens.
Mesmo com o serviço dos ônibus operando, o transporte da região metropolitana deve ficar mais difícil na sexta-feira, já que os serviços da Trensurb não devem operar, conforme o representante da CSP-Conlutas Érico Ribeiro. Ao todo, são quase 300 mil usuários dos trens em dias úteis.
Além disso, rodoviários da região metropolitana e de outros pontos do Estado também podem parar nesse dia. Os trabalhadores do Sindisaúde-RS também confirmaram apoio à greve. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Alexander rodembuch gomes 30/06/2017 01h37min
É melhor o transporte público aderir sim a greve ou terá mais ônibus incendiados em porto alegre.
GUSTAVO 28/06/2017 14h34min
Toda essa movimentação, carros de som e panfletagem com o dinheiro de quem? R: Com o dinheiro do nosso salário, eu não autorizo o uso do meu dinheiro para isso, eu não quero pagar pelo sindicato, ele nÃo me representa!