Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 07 de junho de 2017. Atualizado às 14h55.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

desenvolvimento

07/06/2017 - 13h08min. Alterada em 07/06 às 15h00min

Carlos Barbosa lidera índice de desenvolvimento socioeconômico do Rio Grande do Sul

Cidade de Carlos Barbosa, na serra gaúcha, segue liderando ranking do Idese, divulgado pela FEE

Cidade de Carlos Barbosa, na serra gaúcha, segue liderando ranking do Idese, divulgado pela FEE


LEANDRO FACCHINI/DIVULGAÇÃO/CIDADES
A cidade de Carlos Barbosa, na serra gaúcha, manteve-se na primeira colocação Índice de Desenvolvimento Socioeconômico (Idese) do Rio Grande do Sul, com índice de 0,892 em 2014. Os dados foram divulgados nesta quarta-feira (7), pelo Núcleo de Indicadores Sociais da Fundação de Economia e Estatística (FEE). Porto Alegre ficou na 50ª posição do ranking, com índice de 0,819. Índice maior ou igual a 0,800 é considerado como de alto desenvolvimento socioeconômico.
> Acesse aqui a tabela completa com pesquisa por anos
Entre os três blocos pesquisados no índice - Educação, Renda e Saúde -, a FEE destaca os resultados da cidade em Renda (0,956) e Educação (0,836). O segundo município de maior destaque é Nova Bassano, também localizado no na Serra (0,867), cujo alto desempenho também é recorrente. Do lado oposto da classificação, o último lugar coube a Dom Feliciano (0,576), pertencente ao Corede Centro Sul. Alvorada (0,576) e Jaquirana (0,585) apresentaram também níveis baixos de desenvolvimento socioeconômico conforme o Idese, ocupando a penúltima e antepenúltima posição respectivamente.
Ranking do Idese
FEE

Indicador de educação teve maior aumento

O Idese do Rio Grande do Sul cresceu 1,4% entre 2013 e 2014, atingindo 0,757 em 2014, contra 0,747 em 2013. Segundo a FEE, com o resultado do Idese, o Estado apresenta nível médio de desenvolvimento socioeconômico - considerando a demarcação dos níveis em alto (maior ou igual a 0,800), médio (entre 0,500 e 0,799) e baixo (abaixo de 0,499). O Idese acumulado no Rio Grande do Sul desde o ano de 2007 chega a 8,5%, com um aumento médio de 1,2% ao ano.
O bloco de Educação o primeiro foi o que obteve maior aumento no RS, crescendo 2,6% em relação a 2013, com índice de 0,697 em 2014. Assim como ano anterior, a FEE destaca o aumento no indicador da pré-escola (faixa etária de quatro a cinco anos de idade), que, de 0,527 em 2007, atingiu o índice de 0,741 em 2014. Segundo Thomas Hyeono Kang, economista do Centro de Indicadores Econômicos Socias da FEE, "a provável explicação para esse crescimento é o recente foco das políticas na área da educação infantil".
O Bloco Renda atingiu 0,763 em 2014, com aumento de 1,3% em relação ao ano anterior (0,753). A apropriação de renda passou de 0,779 em 2013 para 0,801 em 2014, e a geração de renda, por sua vez, apresentou ligeira queda, resultado das condições das economias gaúcha e brasileira (0,726 em 2013, 0,724 em 2014).
Já o Bloco Saúde tem apresentado comportamento relativamente estável no tempo. Em 2013, o bloco já tinha registrado índice de 0,809, passando para 0,813 em 2014. O índice do bloco mostra tendência constante de elevação ao longo do tempo, ainda que lenta: desde 2007, o crescimento acumulado foi de 2,7%.
"A maioria dos indicadores do Bloco Saúde refere-se à mortalidade. Essas estatísticas, geralmente favoráveis para o RS, explicam o seu bom desempenho. De um ano para o outro, não se espera que haja grandes variações, já que muitos indicadores são obtidos por meio de médias trienais", analisa Kang.
O Idese é um indicador-síntese que tem o propósito de mensurar o nível de desenvolvimento dos municípios do Rio Grande do Sul, bem como fornecer informações para políticas públicas específicas, de acordo com as necessidades municipais. O Idese é composto por 12 indicadores, divididos em três blocos: Educação, Renda e Saúde.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia