Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 30 de junho de 2017. Atualizado às 11h09.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Contas Públicas

Alterada em 30/06 às 11h13min

Dívida líquida do setor público sobe a 48,1% do PIB em maio, diz Banco Central

A Dívida Líquida do Setor Público (DLSP) subiu para 48,1% do Produto Interno Bruto (PIB) em maio, ante 47,4% em abril. Em dezembro de 2016, estava em 46,2% do PIB. A dívida do Governo Central, governos regionais e empresas estatais terminou o mês passado em R$ 3,075 trilhões. Os números foram divulgados nesta sexta-feira (30) pelo Banco Central. A instituição previa que a relação da DLSP com o PIB chegaria a 48,0% em maio.
Já a dívida bruta do governo geral encerrou o mês passado em R$ 4,633 trilhões, o que representou 72,5% do PIB. É o maior porcentual da série iniciada em dezembro de 2006. Em abril, essa relação estava em 71,3% e a previsão do BC para o resultado do mês passado era de uma taxa de 72,1%. No melhor momento da série história, em dezembro de 2013, a dívida bruta chegou a 51,54% do PIB.
A dívida bruta do governo é uma das principais referências para avaliação, por parte das agências globais de rating, da capacidade de solvência do País.
De acordo com o BC, a elevação na relação de dívida líquida/PIB no ano foi decorrente de incorporação de juros nominais (+2,7 pontos porcentuais), da valorização cambial acumulada de 0,5% (+0,1 pp), do déficit primário (+0,2 p.p.), do efeito do crescimento do PIB nominal (-0,9 p.p.), do ajuste da paridade da cesta de moedas da dívida externa líquida (-0,1 p.p.).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia