Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 28 de junho de 2017. Atualizado às 22h21.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

trabalho

Alterada em 28/06 às 22h22min

Sessão da CCJ que votará reforma trabalhista já passa de 11 horas

Já dura mais de 11 horas a sessão da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) que avalia o relatório de Romero Jucá (PMDB-RR) sobre a reforma trabalhista. Após o início da sessão às 10h08, foram lidos votos em separado de parlamentares que rejeitam o projeto ou pedem ajuste no projeto. Depois, por volta das 17h, começou a sessão de debate que dura até este momento. Senadores, principalmente da oposição, estão criticando o projeto e têm dez minutos para falar cada. Alguns parlamentares falam mais de uma vez.
A sessão do plenário que estava marcada para esta noite acabou sendo cancelada pela mesa diretora do Senado.
No esforço do governo para tentar garantir apoio à reforma trabalhista, senadores receberam uma carta assinada pelo presidente Michel Temer em que ele reafirma o compromisso ajustar a reforma. Se o projeto for aprovado pelos senadores, o governo promete ajuste imediato ao texto via vetos e medida provisória. São oito pontos polêmicos que mais receberam críticas no Senado. A iniciativa foi comunicada durante a tarde pelo senador Romero Jucá (PMDB-RR), líder do governo no Senado e relator da reforma trabalhista na CCJ.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia