Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 27 de junho de 2017. Atualizado às 22h36.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Gestão

Notícia da edição impressa de 28/06/2017. Alterada em 27/06 às 21h25min

Vale aprova novo plano para sua reestruturação

Ações preferenciais da mineradora se transformariam em ordinárias

Ações preferenciais da mineradora se transformariam em ordinárias


/MARCOS ARCOVERDE/AE/JC
Os acionistas da Vale aprovaram ontem todos os sete itens previstos na pauta da assembleia que visavam a reestruturação da governança corporativa da empresa, informou a assessoria de imprensa da mineradora brasileira. Dentre os itens discutidos na Assembleia-Geral Extraordinária estava a conversão voluntária de ações preferenciais em ações ordinárias, além de mudanças no estatuto. A aprovação dos itens é um importante passo para concretizar a intenção atual dos acionistas majoritários da empresa de pulverizar o controle da mineradora e aumentar o nível de governança, incluindo a sua listagem no Novo Mercado da B3.
A Vale havia proposto o plano de pulverizar o controle da empresa, nas mãos do Bradesco e de fundos de pensão estatais, em fevereiro. Pela proposta, as ações preferenciais deixarão de existir, sendo convertidas em ordinárias (com direito a voto). E a Valepar, empresa detida por Bradesco e pelos fundos e que exerce o controle da mineradora, será incorporada pela Vale. Assim, não haverá mais um bloco de controle definindo os rumos da companhia, o que reduz também os riscos de ingerência política na gestão. Hoje, o governo exerce influência por meio dos fundos e do BndesPar, que também é acionista.
Pelo acordo, um investidor só poderá ter 25% do capital da Vale. Quem quiser ter mais precisará fazer uma oferta para comprar a fatia de todos os demais acionistas.
A ideia é concluir o processo até o final de 2017. O acordo prevê um período de transição até 2020, no qual parte das ações ficam congeladas.
A mudança na estrutura da Vale resolve um problema para os fundos, que estiveram às voltas com rombos bilionários. Hoje, Previ (dos funcionários do BB), Funcef (Caixa), Petros (Petrobras) e Funcesp (Cesp) detêm ações na Vale por meio da Litel -que por sua vez é sócia da Valepar. Com esse modelo, os fundos não podem vender ações a qualquer tempo na bolsa.
Para a Previ, a mudança era essencial para viabilizar o pagamento de aposentadorias. A fatia na Vale é o principal ativo do Plano 1, o maior de seus planos, que tem 15,5% do capital total da Vale. Tal fatia, porém, está "presa" no bloco de controle.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia