Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 26 de junho de 2017. Atualizado às 23h25.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Conjuntura

Notícia da edição impressa de 27/06/2017. Alterada em 26/06 às 22h49min

Ex-chefe do Banco Central alerta para clima de incerteza

Crise política domina o ambiente econômico, afirma o estrategista

Crise política domina o ambiente econômico, afirma o estrategista


CLAITON DORNELLES /CLAITON DORNELLES /JC
Jefferson Klein
Apesar de ser o desejo do setor empresarial, o Brasil não está conseguindo descolar a economia do atribulado cenário político. "A incerteza política domina o ambiente econômico e é uma incerteza muito acentuada", frisa o economista e ex-presidente do Banco Central (BC) Gustavo Franco.
O estrategista-chefe da gestora de recursos Rio Bravo reforça que os problemas do segmento político tornaram-se mais intensos depois que as gravações envolvendo o presidente Michel Temer e o empresário Joesley Batista foram divulgadas. Essa condição, segundo o presidente do Banco Central na época de Fernando Henrique Cardoso, enfraquece o moral e a capacidade de ação do pessoal da área econômica. Até esse episódio, Franco ressalta que o País vinha dando sinais de retomada da economia. Contudo, o analista aponta que o efeito das gravações será ruim sobre os níveis de confiança e de atividade produtiva.
O economista lembra que, em média, as pesquisas quanto ao PIB indicam crescimento de 0,40% para este ano. "É ruim, mas é o que temos", conforma-se. Apesar desse panorama, Franco diz que foi possível "arrumar a casa" em algumas áreas sensíveis como, por exemplo, a Petrobras. Sobre o Banco Central (BC), o analista considera satisfatório o grau de autonomia que o BC possui hoje. Entretanto, o economista acrescenta que seria melhor que os dirigentes do BC tivessem mandatos, o que caracterizaria a entidade como independente, assim como instituições similares em outros países.
Franco esteve ontem em Porto Alegre participando da cerimônia de posse do presidente e dos demais membros da Diretoria e do Conselho Fiscal do Instituto de Estudos Empresariais (IEE) para a gestão 2017/2018. O evento foi realizado na Fundação Iberê Camargo. O novo presidente do IEE é o empresário Júlio César Bratz Lamb. O dirigente adianta que uma das suas metas será ecoar as ideias da entidade para a sociedade. Uma das ideologias da instituição é que o Estado interfira cada vez menos na vida das pessoas.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia