Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 26 de junho de 2017. Atualizado às 17h41.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Energia

Alterada em 26/06 às 17h44min

Pesquisa mostra aumento da satisfação de clientes com serviço de energia

A qualidade do serviço prestado pelas distribuidoras de energia elétrica subiu na avaliação dos clientes, de acordo com uma pesquisa da Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica (Abradee). O Índice de Satisfação com a Qualidade Percebida subiu para 76,8% neste ano, ante 74,4% no ano passado.
De acordo com o presidente da Abradee, Nelson Leite, o índice havia caído bastante no ano passado devido aos efeitos do tarifaço de 2015, quando a conta de luz subiu 50%. Dois anos depois, esses efeitos foram absorvidos, disse o executivo, o que permitiu que o índice de satisfação voltasse à média verificada entre 2010 e 2015.
Leite destacou que o crescimento da satisfação dos clientes entre 2016 e 2017 foi de 3,2%, acima da margem de erro da pesquisa, de 1,3%, para mais ou para menos. "Retomamos o patamar de resultados que tivemos entre 2010 e 2015, na faixa de 77%", disse.
Do ano passado para cá, o aumento da satisfação foi verificado em todas as regiões do País, exceto no Nordeste, onde a variação foi positiva, mas se manteve dentro da margem de erro. A pesquisa foi realizada 26.575 consumidores entre os dias 4 de março e 16 de abril, em 871 municípios em todos os Estados do País. Foi a 19.ª edição do levantamento, que envolveu 49 empresas.
A Abradee destacou ainda que o maior componente das tarifas hoje são impostos e encargos setoriais, taxas que financiam programas sociais e subsídios do governo. Em 2016, de cada R$ 100,00 pagos na tarifa, 42,1% foram para tributos e encargos, 39,7% para a energia, 15,6% para a distribuição e 2,7% para a transmissão.
As distribuidoras de energia atendem hoje 81 milhões de unidades consumidoras. As empresas tiveram receita bruta de R$ 216 bilhões no ano passado e contribuíram com 3,5% do PIB. As empresas investiram R$ 13,8 bilhões no ano passado e empregam 209 mil pessoas.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia