Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 26 de junho de 2017. Atualizado às 15h56.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Petróleo

Alterada em 26/06 às 15h58min

Parente diz que companhia saudável não deve ter alavancagem superior a 1,5 vez

O presidente da Petrobras, Pedro Parente, afirmou nesta segunda-feira (26) que uma companhia saudável não deve ter alavancagem superior a 1,5 vez. No primeiro trimestre, o índice da empresa foi de 3,2 vezes.
No plano de negócios, a empresa prevê alcançar meta de 2,5 vezes ao fim de 2018. Porém, segundo Parente, mesmo atingindo este patamar de compromisso do caixa com o pagamento de dívida, a estatal continuará em processo de reestruturação, que prevê a formação de parcerias e venda de ativos de US$ 21 bilhões nos anos de 2017 e 2018.
O presidente da Petrobras participa de palestra promovida pelo Grupo de Líderes Empresariais (Lide), no Rio.
Parente afirmou que sempre foi favorável à negociação com a empresa de operação de plataformas Sete Brasil, mas não levava adiante as negociações porque o FIP Sondas, do qual a estatal é cotista, "não queria participar".
"A gente achava, no início que não seria produtivo. Recentemente, com o decorrer das conversas, sob a liderança do juiz que está conduzindo as conversas, pediram que reconsiderássemos a questão. Nós, na diretoria executiva, achamos que poderíamos ajudar a construir uma solução para isso", afirmou Parente.
Na semana passada, a Petrobras comunicou que, em audiência no Tribunal de Justiça do Rio, a Sete Brasil propôs retomar as negociações com a estatal, que acatou o pedido.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia