Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 19 de junho de 2017. Atualizado às 18h38.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Inflação

Notícia da edição impressa de 20/06/2017. Alterada em 19/06 às 21h19min

Alimentos típicos de festas juninas têm alta de 2,70%

Preço da batata-inglesa recuou 45,63% no acumulado de 12 meses

Preço da batata-inglesa recuou 45,63% no acumulado de 12 meses


/MARCO QUINTANA/JC
O preço médio das comidas preferidas pelos brasileiros nessa época de festas juninas subiu 2,70%, abaixo da inflação acumulada em 12 meses, compreendidos entre junho de 2016 e maio deste ano, que atingiu 4,05% pelo Índice de Preços ao Consumidor (IPC) da Fundação Getulio Vargas (FGV).
O item que mais contribuiu para puxar a inflação para baixo foi a batata-inglesa, com queda de 45,63%. Os dados foram divulgados ontem pelo Instituto Brasileiro de Economia (Ibre), da FGV.
O economista André Braz, responsável pela pesquisa de preços e coordenador do IPC da FGV, lembrou que, no ano passado, a batata-inglesa teve alta muito forte (85,52%). "Boa parte dos itens selecionados estava com aumento de dois dígitos", disse. Os ingredientes juninos no ano passado mostravam média de alta de 18,5%. "Este ano (2017), foi muito mais baixo", disse Braz.
"Como a cesta é basicamente composta por alimentos que se valeram da safra positiva que nós tivemos agora para vários itens, houve espaço então para esse aumento menor, que ficou abaixo da inflação média. Em termos reais, esses itens nem caros ficaram." No ano passado, a inflação média estava em 9,15% e a cesta junina correspondia ao dobro da inflação, disse o economista. Já este ano, a cesta se situa pouco menos da metade da inflação acumulada em 12 meses.
Braz observou que apesar de os alimentos não terem subido tanto, as condições do mercado de trabalho são ainda desfavoráveis ao consumo. "Tem muita gente aí sem emprego." Por isso, recomendou que "mesmo que alguns alimentos não tenham aumentado os custos da compra no supermercado, a dificuldade em comprá-los cresce devido ao desemprego". Usar a criatividade é sempre bem-vinda nesses momentos, sugeriu.
Segundo o economista, os consumidores devem fazer pesquisa de preços, substituindo produtos de marcas mais conhecidas, mais caros, por marcas menos conhecidas, mas que mantenham boa qualidade e podem ser consumidos com tranquilidade. "Pesquisar muito antes de comprar e evitar gastos desnecessários fora de casa", recomendou.
De acordo com a pesquisa, pressionaram a inflação nesse período de festas juninas para baixo, além da batata-inglesa, a couve (-7,52%), a mandioca (-5,90%) e a farinha de trigo (-4,47%). Já o fubá de milho e a farinha de mandioca apresentaram os maiores aumentos no período, da ordem de 17,83% e 16,81%, respectivamente.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia