Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 19 de junho de 2017. Atualizado às 18h38.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

petróleo

Alterada em 19/06 às 19h54min

Petrobras aprova acordo com Vanguard para encerrar ação individual nos EUA

A Petrobras informa que seu conselho de administração aprovou, nesta segunda-feira (19), a celebração de um acordo para encerrar uma ação individual proposta perante a Corte Federal da Pensilvânia, EUA, por um grupo de afiliadas do The Vanguard Group. A Vanguard é um dos maiores acionistas da companhia, após a União Federal e entidades relacionadas. A empresa também elevou as provisões para refletir os acordos que já foram celebrados com diversos acionistas.
A estatal já havia celebrado acordos para encerrar outras 19 ações individuais apresentadas perante a Corte Federal de Nova Iorque, EUA.
"Incluindo as 19 ações individuais com acordos previamente celebrados, um total de 27 ações individuais haviam sido consolidadas, para fins de julgamento, em conjunto com uma ação coletiva (class action) perante a Corte Federal de Nova Iorque. A ação judicial do Vanguard era a única ação individual proposta fora de Nova Iorque", diz a empresa.
Para refletir os acordos celebrados, assim como as negociações em curso com outros autores de ações individuais, o valor total de provisões estimado passou a ser US$ 445 milhões para o segundo trimestre deste ano, dos quais a companhia já havia provisionado US$ 372 milhões no resultado do exercício de 2016.
"No momento, não é possível para a Petrobras fazer estimativa confiável sobre o desfecho da class action. Esses acordos, cujos termos são confidenciais, têm como objetivo eliminar incertezas, ônus e custos associados à continuidade dessas disputas e não constituem qualquer reconhecimento de responsabilidade por parte da Petrobras, que continuará se defendendo firmemente nas demais ações em andamento", afirma a petroleira.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia